25 de outubro de 2006

Árvore de Beltane

Material:
Fitas brancas e vermelhas
Em uma árvore da vizinhança ou da sua casa, de preferência uma amendoeira. Decore-a com fitas longas e coloridas, fazendo um pedido para toda vez que amarrar uma fita nos galhos e conseguir assim, as bênçãos do povo das fadas que brilham sobre este mundo. Agradeça também toda a magia presente em sua vida.


Por Sally Morningstar

Fogueiras de Beltane

Beltane, como sendo o festival da fertilidade, da purificação e do fogo, é um dos maiores rituais da Grande Roda. A palavra Beltane se origina dos termos: Bel (nome do Deus Belenos ou Belenus) e tan (fogo), juntas as duas palavras significam "fogo de Bel" ou "fogo no céu".

Nos antigos costumes celta, diz que o fogo doméstico deve ser apagado da casa toda, nesse dia, depois fazer uma grande fogueira com as nove árvores sagradas: freixo, bétula, aveleira, carvalho, teixo, sorveiro, salgueiro, pinheiro e espinheiro, que seriam acesas pelos druidas ao nascer da Lua, dando início à celebração.

Cada família, então, levava brasas deste fogo para a sua casa, pois desta forma reacendiam as chamas em casa, representando uma bênção divina e marcando a chegada do verão.


Podemos encontrar a correlação de Beltane às festas juninas, como na dança em torno de um mastro decorado ou no costume de pular a fogueira. Bênçãos plenas!

Rowena Arnehoy Seneween ®


23 de outubro de 2006

Saudações, caros amigos!

Resolvi disparar meu “paulistês”, como diz meu querido Mário, e nesse balaio de gato faço um fuá básico, literalmente, chuto o pau da barraca. Onde já se viu, meu! Depois são os outros é que têm sotaque! Rsrsrs... Ah, tem dias que não dá pra segurar, são tantas idéias e projetos na cabeça que daqui a pouco funde os neurônios, eu hein!


Nosso site caminha a passos largos, estamos no ar com os primeiros esboços e falando em esboço, a logomarca do Templo de Avalon está quase pronta, autoria do nosso artista mineiro Marcelo Andrade Jr. (cá entre nós, essa família é um verdadeiro clã de artistas).

Compartilho com todos os primeiros passos dessa nossa maravilhosa criação. Bênçãos plenas!

Rowena Arnehoy Seneween ®

21 de outubro de 2006

Templo de Avalon


Invoco toda a magia de Avalon,
Templo e morada dos Deuses celtas
Linha tênue que encobre esse breve frisson
Onde criaturas presentes permanecem ocultas.
Buscam o equilíbrio e resgatam a sagrada unidade
Através do éter misterioso dessa névoa de prata
Revolvem a terra para ativar a fertilidade
Espalhando gotículas de água em forma de cascata.
O fogo sagrado que expurga os tolos do caminho
Revelam os segredos de um transe ascendente
Alguns percebem e poucos entendem o torvelinho
Que nos envolve nesse sonho envolvente.
Palavras soltas ao vento, adentram os corações
Despertam emoções adormecidas, jamais esquecidas
Através da semente que em breve trará novas lições
Germinando uma era de esperanças renovadas.
Nesse abençoado universo paralelo e sagrado
Onde tudo é uma simples questão de tempo
Alinham-se às ondas da mente, agora unificadas,
Ao eterno giro da roda sem nenhum contratempo.
Avalon, a terra dos campos verdes e do céu anil
Está muito além das brumas do tempo e da ilusão,
Onde mais uma vez, renasce de forma sutil
Nas águas cristalinas da fonte sagrada do coração.

Rowena Arnehoy Seneween ®

Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Leia mais: Poesias Pagãs

5 de outubro de 2006

Encantamento


Um momento, um instante...
Preciso de uma poção ou encanto,
Que nos faça ver novamente,
Todas as formas de vida brilhante,
Como seres sagrados que são!
Será que o que homem moderno
Não percebe mais a beleza
Dessa doce emoção?

Rowena Arnehoy Seneween ®
Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

1 de outubro de 2006

Sombras da Lua

Boca vermelha,
Sedenta de beijos ardentes
Divina centelha

Além da alma sombria,
Tormento vivido
Na loucura dessa noite fria

O branco pálido da morte,
Grita alto pelas sombras da Lua
E rompe no peito mais forte

Pelos séculos perdidos,
A fúria guardada
De momentos revividos.

Rowena Arnehoy Seneween ®



Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Leia mais: Poesias Pagãs

Bênçãos plenas!