22 de dezembro de 2011

Alban Hefin, a Luz do Verão!

Festival celebrado no dia 21 de dezembro marca o Solstício de Verão e em gaélico se chama Nollaig. Em galês é conhecido como Alban Hefin ou a Luz do Verão, é o êxtase máximo da união sagrada, onde o poder da criação está mais ativo e o Sol finalmente atingiu o seu apogeu.

A natureza encontra-se plena de luz, poder e magia. Este é o dia mais longo do ano, no ápice do verão, aproveite para meditar sob o sol da manhã, celebrando durante todo o dia até o anoitecer, trazendo assim, toda magia solar para o seu interior.

No Hemisfério Norte celebra-se no dia 21 de junho. No Hemisfério Sul, este ano, o verão será no dia 22 de dezembro às 02h30min.

Mãe Terra

“Mãe Terra, nós te louvamos,
Por entre os raios solares
Que iluminam as novas sementes.

Mãe Terra, nós te louvamos,
Por entre as folhas do carvalho
Que vibram junto à gota de orvalho.

Mãe Terra, nos te louvamos,
Por entre a brisa de verão
Que renova o poder da criação.

Aceitai nossa sincera gratidão!”

Rowena Arnehoy Seneween ®

Livro Brumas do Tempo
Poesias, pensamentos e ritos druídicos
Todos os direitos reservados.


Sugestão para celebrar o Solstício de Verão

8 de dezembro de 2011

A Fuga Mágica - Cerridwen e Gwyon

"Se o herói obtiver, em seu triunfo, a bênção de uma Deusa ou um Deus e for explicitamente encarregado de retornar ao mundo com algum elixir destinado à restauração da sociedade, o estágio final de sua aventura será apoiado por todos os poderes do seu patrono sobrenatural. Por outro lado, se o troféu tiver sido obtido com a oposição do seu guardião, ou se o desejo do herói no sentido de retornar para o mundo não tiver agradado aos deuses, o último estágio do ciclo mitológico será uma viva, e com freqüência cômica, perseguição. Essa fuga pode ser complicada por prodígios de obstrução e evasão mágicas.

Os galeses falam, por exemplo, de um herói, Gwyon Bach, que foi parar na terra sob as Ondas. Em termos específicos, ele se achava no fundo do lago Bala, em Merionethshire, na parte norte do País de Gales. E no fundo desse lago vivia um antigo gigante, Tegid, o Calvo, e sua esposa, Caridwen ou Cerridwen. Esta última, num dos aspectos que assumia, era a padroeira da semente e das lavouras férteis e, noutro, deusa da poesia e das letras. Era proprietária de um imenso caldeirão e desejava preparar nele uma poção de ciência e inspiração. Ela produziu uma mistura negra que pôs no fogo para fermentar durante um ano, ao final do qual três gotas abençoadas da graça da inspiração poderiam ser obtidas.

E ela pôs nosso herói, Gwyon Bach, a mexer o caldeirão, e um cego chamado Morda para manter o fogo aceso por baixo dele, e ela os encarregou de não deixar a fervura cessar pelo espaço de um ano e um dia. E ela mesma, colhia diariamente todas as ervas encantadas. Um dia, perto do final do período de um ano, enquanto Caridwen estava escolhendo plantas e fazendo encantamentos, eis que três gotas do líquido encantado saíram do caldeirão, caindo no dedo de Gwyon Bach.

Como as gotas fossem muito quentes, ele pôs o pé na boca e, no momento em que pôs aquelas gotas prodigiosas na boca, previu tudo o que estava por ocorrer e percebeu que seu principal cuidado deveria ser guardar-se contra os desejos de Caridwen, pois vasta era a habilidade desta. E ele, tomado de grande temor, dirigiu-se para a sua própria terra. E o caldeirão partiu-se em dois, pois todo o líquido nele contido, exceto as três gotas encantadas, era venenoso, de modo que os cavalos de Gwyddno Garanhir foram envenenados pela água da corrente para onde o líquido do caldeirão fluiu e a confluência dessa corrente passou a chamar-se: o Veneno dos Cavalos de Gwyddno, a partir de então.

Eis que retorna Caridwen e vê todo o trabalho do ano inteiro perdido. E ela tomou de uma acha de lenha e bateu na cabeça do cego até que um de seus olhos lhe saltou do rosto. E ele disse: "Erradamente, tu me desfiguraste, pois sou inocente. Tua perda não foi causada por mim". Dizes a verdade, disse Caridwen. "Foi Gwyon Bach."- murmurou o velho.

E ela se pôs atrás deste, correndo. E ele a viu e transformou-se numa lebre e fugiu. Mas ela se transformou em galgo (cão) e o perseguiu. Ele correu para um rio e tornou-se peixe. E ela, sob a forma de lontra fêmea, o perseguiu sob a água, até que ele se viu forçado a transformar-se num pássaro. Ela, como águia, o seguiu e não lhe deu descanso no ar. E quando estava prestes a alcançá-lo, e ele temia pela própria vida, eis que ele avistou um monte de trigo peneirado no solo de um celeiro e mergulhou no trigo, transformando-se num dos grãos. E ela se transformou numa encrespada galinha negra, ciscou no trigo, encontrou-o e o engoliu.

E, diz a história, ela o levou consigo durante nove meses e, quando ele saiu, ela não conseguiu encontrar coragem para matá-lo, tal a sua beleza. Assim, ela o envolveu numa bolsa de couro e o colocou no mar, entregando-o à misericórdia divina, no vigésimo nono dia de abril."

Fonte: O herói de mil faces - Joseph Campbell.

A fuga mágica é o episódio favorito do conto folclórico, no qual é desenvolvido o tema da mudança de forma. A criança abandonada aos caprichos do destino, será um dia Taliesin, o maior e mais sábio druida que já se ouviu falar!

As lendas nos contam que Merlin pode ter sido o sucessor do Bardo Taliesin que, na forma de Gwyon, nascera de Cerridwen e se tornara um grande mago, após tomar, acidentalmente, três gotas da poção do Caldeirão da Inspiração, descrito em "Hanes Taliesin".

Para ler ou baixar a revista, Arthur - Uma Epopéia Celta 01 - Merlin - O Louco, que descreve este mito, clique aqui.

Bênçãos plenas do céu, da terra e do mar!

25 de novembro de 2011

Sagrada Inspiração

Awen, a inspiração sagrada,
Que ao sorver das tuas bênçãos
Num frenesi de emoções,
Uniu nossas tribos durante a jornada

Bardos compunham um som delirante,
Onde ecoavam vozes de almas antigas,
Fluindo entre as espirais da vida
Em plena energia revigorante

O sonho que nos conduz entre os véus,
Seres mágicos, nobres feéricos dos montes
Apresentam-se diante do crepúsculo
Reverenciando a terra e os céus

Será o bosque sagrado centrado em nós?
Sensações entrelaçadas pelos reinos,
Despertam a tal esperança do amanhecer
Propagando seu ritmo intenso e veloz

Chama que aquece e acalenta os corações,
Os Deuses, ancestrais e espíritos da natureza,
Ultrapassam a névoa de prata e tornam-se orvalho
Embevecidos na essência de suas ações

Guerreiros, que a luta seja pela paz
E a nobreza perdure na verdade
Fincando suas espadas no chão
Para que o reencontro seja breve e eficaz

Por Morrighan, Brighid e a sagrada inspiração!

(Homenagem ao II Encontro Brasileiro de Druidismo e RC)

Rowena Arnehoy Seneween /|\
Todos os direitos reservados.



Leia também: Meditação dos Três Caldeirões.

17 de novembro de 2011

Fotos do II Encontro de Druidismo e RC

Um verdadeiro encontro e reencontro de almas!

O II Encontro de Druidismo e Reconstrucionismo Celta, reuniu pessoas maravilhosas de todo o Brasil.


A essência fluiu em perfeita harmonia e a afinidade entre os presentes era algo mágico. As imagens por si só refletirão o que pudemos vivenciar, sendo quase indescritível retratar todas as emoções.

O evento aconteceu nos dias 12 a 14 de novembro, na cidade de Cotia em São Paulo, no Núcleo de Vivências Filhos da Terra de Sthan Xannia.

Gratidão a TODOS os irmãos da alma e do coração, principalmente, aos organizadores do evento, que tornaram tudo isso possível.

Até o ano que vem... Awen!!!

VEJA AS FOTOS, CLICANDO AQUI.

Bênçãos do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

5 de novembro de 2011

II Encontro de Druidismo e RC - Cotia/SP

"Como no primeiro encontro em Florianópolis, iremos reunir praticantes e estudiosos de diversas partes do país e de diferentes tradições. Será um momento para aprofundarmos nossos laços e conhecimentos. O encontro tem por finalidade a participação e o envolvimento de todos, sendo assim, os participantes poderão oferecer idéias de atividades para aprimorar ainda mais este evento." Vagas limitadas!

Dias: 12 a 14 de novembro no Núcleo de Vivências Filhos da Terra.


Programação Completa - Horário das Palestras:

SÁBADO - 12/11

12h às 15h - recepção e acomodação
15h - Abertura do Evento / Conexão com os Espíritos Árvores - Marcos Reis (São Paulo, SP)
16h30 - Símbolos: imagens usadas por druidas modernos - JP Bach (Florianópolis, SC)
17h30 - INTERVALO
17h45 - Roda de debates: O Greenman e o primo Curupira - João Uberti (São Paulo, SP)
19h - JANTAR
20h - Bênção de Abertura (Cerimônia) - membros dos grupos organizadores
21h - Danças Escocesas: celebrando a tribo - Andréa Éire e Simão Proença (São Paulo, SP)

DOMINGO - 13/11

10h - A Lei Céltica - noções introdutórias - Bellovesos (Porto Alegre, RS)
11h - INTERVALO
11h15 - Oráculos: onde os caminhos do Bardo e do Ovate se encontram - Juliana Couto (São Paulo, SP)
12h15 - Meditação sobre a Triplicidade dos Mundos - Rowena Arnehoy Seneween (Itapetininga, SP)
13h30 - ALMOÇO
14h30 - A COMBINAR
15h30 - A inspiração celta no conven da Onça Parda - Joanna Doarco (Jundiaí, SP)
16h30 - INTERVALO
16h45 - A transcendência da Awen, a Inspiração Druídica nas religiões Afro-Brasileiras - Fernando Luis Pereira “Lobo” (Guarulhos, SP)
17h45 - Mesa redonda: tema a confirmar
19h - JANTAR
20h - Danças Circulares Sagradas: das terras célticas à Hy Brasil - Mayra Faro “Darona ní Brighid” (Belém, PA)
21h30 - Corpo Presente na Contação de Histórias - Rafael de Aquino Cunha (São Paulo, SP)

SEGUNDA - 14/11

10h - Combate com Espada: uma prática para o caminho do guerreiro - JP Bach (Florianópolis, SC)
11h - INTERVALO
11h15 - Arte Celta: de Hallstatt às abordagens contemporâneas - Marcela Badolatto (São Paulo, SP)
12h15 - Aprofundando a Hipótese Gaia: uma ecologia druídica para a ação - Gabriel Martone (Ribeirão Preto, SP)
13h30 - ALMOÇO
14h30 - OBOD no Brasil - Ëldrich Hazel Ybyrapytã (Hortolândia, SP)
15h30 - Oráculo: Espelho do Destino - Bellovesos (Porto Alegre, RS)
16h30 - INTERVALO
16h45 - Jornadas Visionárias no Mundo Celta: através dos reinos - Wallace William (São Paulo, SP)
17h45 - Rito intergrupos e encerramento

Bênçãos do Céu, da Terra e do Mar... Nos encontramos lá!

Blog Oficial do Encontro: EBDRC

27 de outubro de 2011

O Outro Mundo

Mensagens além mar
Ecoam nas memórias
Vividas em um olhar
Exauridos pela trajetória

Remanescentes do tempo
Navegam sem contratempo
Como velas içadas ao vento
No remanso do firmamento

O limiar do Outro Mundo
Flui ligeiro por um segundo
Absortos nas ondas da nau
E enaltecidos pelo êxtase, afinal

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados



Imagem: The Lady of Shallot - Waterhouse

Celebrando: Festival de Beltane

26 de outubro de 2011

Entre o Céu e a Terra


"Triste de recordar, enfermo com os anos,
As inumeráveis e velozes lanças,
Os cavaleiros de cabelos ao vento,
E malgas de cevada, mel e vinho.
Aqueles felizes casais dançando em sintonia,
E o alvo corpo, deitando junto ao meu.
Mas a história, embora as palavras
Sejam mais leves que o ar,
Deve viver para envelhecer
Como a Lua errante."

As andanças de Oisin - William Butler Yeats

Pelas bênçãos dos Deuses e dos não-deuses... Fáilte, Lá Bealtaine!

Saiba em: Sugestão para celebrar Beltane

Rowena Arnehoy Seneween ®
Créditos da imagem: Courtney Davis

24 de outubro de 2011

Bênçãos do Dia

Oh, poderosos que guiam o caminho,
Seres brilhantes da Lua e do Sol
Espíritos nobres do Sídhe
Orientem o meu dia com carinho

Que a verdade ilumine a sabedoria
Através da generosidade do pensamento
Tornando-as ações em virtude,
Para que assim, eu caminhe na alegria

Eu saúdo o Céu e a Terra
Pelos mistérios do fogo e da água
Para que estejam presentes comigo
Tanto na paz como na guerra

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados



Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

2 de outubro de 2011

Entrevista: Jornal do Diário do Grande ABC

Compartilhando a entrevista que eu e Marcos Reis fizemos para o jornal do Diário do Grande ABC de Santo André/SP - no dia 02 de outubro de 2011 - à Revista Dia-a-Dia, sobre o nosso Caminho.


Conheça, também, a programação do II Encontro de Druidismo e RC, que acontecerá em Cotia/SP de 12 a 14 de novembro, clicando aqui.

Bênçãos do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

30 de setembro de 2011

Dia duit, queridos amigos do Templo!

Em ritmo de comemoração... Sláinte!

Compartilhando: no dia 29/09/2011, o Portal Templo de Avalon completou cinco anos de existência! E é com imensa satisfação que convidamos você para comemorar conosco, apreciando o novo visual do site, especialmente criado para marcar a ocasião.

Morrighan é a força guerreira que nos orienta nesta jornada e Brighid, a abençoada inspiração que, em Agosto de 2011, deu origem ao Grupo Caer Siddi – nome galês que significa Fortaleza das Fadas ou do Outro Mundo.

O grupo surgiu da necessidade de aprofundarmos nossos estudos a partir de 2006, com o site Templo de Avalon – Paganismo, lenda e mitos, inicialmente, sob o manto de Arianrhod da tradição galesa.

Agradecemos a todos os amigos e visitantes, que caminham ao nosso lado e nos estimulam a melhorar cada dia mais... Nossa sincera gratidão!



Fáilte, beannacht na deithe ort!

Rowena Arnehoy Seneween ®


23 de setembro de 2011

A Beleza da Flor

Porque a beleza da flor está no ápice do ser... Gratidão ao caminho!



As flores são símbolos do poder da natureza e quem pratica a arte do Ikebana, também, têm uma relação especial com os Deuses.

Durante 15 anos pude vivenciar esse caminho como aluna e professora.


Conheça à Academia Kado Sanguetsu:

Ka = flor, sentimento. Do = caminho para o aperfeiçoamento.

San = montanha, elevação.

Guetsu = lua, sensibilidade e espiritualidade.

Em plena conformidade aos nossos princípios... Que assim seja!

Sugestão para celebrar o Equinócio da Primavera

Bênçãos do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

21 de setembro de 2011

Druidismo em Santo André

Conversa informal sobre Druidismo na Casa de Bruxa de Tânia Gori em Santo André/SP, realizada no dia 17/09/2011.


Num clima de perfeita harmonia, a palestra fluiu com uma aura de magia e muita descontração... Os mitos e as lendas se uniram em vários aspectos, com destaque entre as tradições germânicas e celtas.

Uma tarde enriquecedora, com a acolhida impecável de Tânia Gori.

A nova Casa de Bruxa é encantadora e simplesmente mágica!

Agradeço, também, a oportunidade de realizar as fotos no local para uma entrevista que fiz à Raquel Ester Inacio de M. Garcia - Editoria da Revista Dia-a-Dia do Jornal Diário do Grande ABC, para o dia 02/10/2011. Para ler a matéria completa, clique aqui.

Beijos e muitas bênçãos a todos que estiveram presente!

Rowena Arnehoy Seneween ®

25 de agosto de 2011

A plenitude do Caminho

Quanto os meus pés caminharam por essas trilhas que hoje habitam somente as minhas memórias... Há exatamente 18 anos, quando um novo chamado se apresentou durante o meu caminhar, as edificações deste local era apenas um projeto. Mas lá no fundo eu sentia que algo muito maior se transformava dentro de mim.


No silêncio desta estrada sentia que esse era apenas o começo de um longo percurso que me conduziria a outros caminhos, a outras jornadas iniciadas há muitos ciclos atrás... Ao caminhar, mentalmente, por essa trilha contemplo a plenitude contida nos seus ensinamentos, com a certeza que nada sei, pois o aprendizado é infinito.

Pelas bênçãos do Céu que está acima de nós, pelo Mar que nos rodeia e pela Terra que nos sustenta, que aja paz em nosso caminhar!

Rowena Arnehoy Seneween ®


9 de agosto de 2011

Anam Cara

A cultura celta tem uma bela visão de amor e amizade. Uma de suas fascinantes idéias é o amor da alma, que em gaélico antigo, "Anam" quer dizer alma e "Cara" significa amizade. Assim, "Anam Cara" no mundo celta é o amigo espiritual.

Esta concepção da alma celta não impõe limitações de espaço e tempo. A alma não está presa. É uma luz divina que penetra em você e em sua vida, estimulando um companheirismo profundo e especial.

Na vida todo mundo tem a necessidade de um Anam Cara, o amigo espiritual. Este amor o aceita como você é, naturalmente, sem máscaras ou pretextos. Um tesouro inestimável de entendimento, autoconfiança e de proteção sobre a alma do outro.

O amor é a única luz que pode, realmente, ler os sinais secretos da individualidade e da alma de cada um. No mundo original, só o amor é sábio e só ele pode decifrar a identidade e o destino de cada ser.

O Anam Cara é um dom dos Deuses, uma troca de amizade eterna.

A amizade é sempre um ato de reconhecimento, onde há um despertar, uma sensação de conhecimento antigo e uma afinidade mútua de natureza mágica. E, quando duas pessoas se apaixonam, há uma comunhão que permite a união de dois corações.
Quando a alma e o corpo são um só, eles adentram o Outro Mundo. A profundidade e a beleza desse encontro, seria como estender, ao máximo, as possibilidades dos laços de alegria e êxtase do amor.

O amor é a natureza da alma... O eterno círculo de amizade, amor e comunhão com a sua Anam Cara.

Fonte: Anam Cara - Livro de Sabedoria Celta - John O'Donohue

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®


29 de julho de 2011

A Luz do Caminho

O céu irradia um brilho intenso do luar
Talvez, num lugar distante a oeste
Onde as brumas se encontram com o mar

A alma que clama pela chama
Ilumina o caminho sagrado
Séculos a fio entrelaçados nesta trama

Enaltecidos pela eternidade,
Bramimos nosso grito de guerra
Em nome da honra e da verdade

Muitas vezes deturpada pelos poderes
Almejados por criaturas vis
Que não comungam com o amor de todos os seres

Alternados entre a sombra e a luz
Os Deuses giram a roda
Impiedosamente, entre a espada e a cruz

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados



Leia também: Sugestão para celebrar Imbolc


28 de julho de 2011

Invocação a Brighid

Brighid, invoco todo seu poder
Brighid, do fogo sagrado
Brighid, das águas cristalinas
Brighid, do altar consagrado.

Que o seu poder de moldar esteja em nós!

Brighid, aquela que cura e protege
Brighid, que inspira e transforma
Brighid, que cuida e consola
Brighid, que fertiliza a própria forma.

Que o seu poder de cura esteja em nós!

Brighid, Senhora dos bardos
Brighid, a chama tríplice da família
Brighid, a magia do povo encantado
Brighid, a eterna luz da sabedoria.

Que o seu poder de inspiração esteja em nós!

Rowena Arnehoy Seneween ®

Extraído do livro Brumas do Tempo
Poesias, pensamentos e ritos druídicos
Todos os direitos reservados.


Saiba como fazer uma "Cruz de Brighid", clique aqui.



(Créditos da imagem à Marcelo Andrade Jr.)

Sláinte, Brighid!



27 de julho de 2011

Novidades do Templo

É com grande alegria que apresentamos nossa mais nova colunista do Templo de Avalon, Alëssah Lunna, que irá falar sobre Dança Tribal.

"A dança é uma fusão de emoções, sentimentos reencontros com o nosso mais etéreo Ser... Liberdade, Sentir, Ouvir, Conectar e Dançar... Tribos em mim!"

Celebrando todos os meus ciclos... O Despertar!

A minha busca e aprendizagem se resume em honrar os meus ancestrais e o Sagrado feminino.

Sou Mulher, Deusa, Mãe, Irmã, Filha, Sacerdotisa, Seguidora dos caminhos pagãos.

Vocalista, com a minha voz busco a conexão ancestral.

Dançarina, (Dança do Ventre) dançar é a minha mais profunda Inspiração, e a exteriorização do meu espírito.

Busco o conhecimento na terapia holística, vivenciando no dia a dia o poder das ervas, chás e os cristais...

Com o tarô estudo a sabedoria e pratico a paciência, sabendo que tudo tem a sua hora certa, um passo de cada vez... Apaixonada por música e pela natureza... Awen!

Para ler os artigos de Alëssah Celtic, clique aqui.

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®


14 de julho de 2011

Espirais da Vida

O passado nos leva ao presente momento,
Despertando a alma às infinitas possibilidades
Contidas nas espirais da vida.
É lá que a minha essência se encontra,
É para lá que caminho diariamente,
Fluindo em harmonia, completamente renascida.

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados



Saiba mais sobre: As Espirais Celtas

2 de julho de 2011

A magia da vida e os ciclos da Terra

Vivenciamos ciclos dentro de outros ciclos!

A simbologia pagã é muito forte e nos remete a outras vidas, outros tempos, onde a alma simplesmente vivia em perfeita harmonia com o TODO. Uma época onde não havia essa preocupação absurda pelas tão temidas mudanças planetárias, pois elas são apenas movimentos necessários para se resgatar o equilíbrio natural do nosso planeta.

A mentalidade cristã está profundamente enraizada no inconsciente coletivo das pessoas, que fazem todo o tipo de canalizações apocalípticas e extremamente infundadas.

A estimulação do medo é a grande raiz do problema.

Aqueles que são conscientes e vivenciaram na pele essas mudanças não ficam por aí alardeando o medo, mas sim, estimulam a coragem que devemos ter para enfrentar este tipo de situação.

Situações essas que podem ou não ter sido criadas por nós, porque independente do efeito estufa causado pela poluição e do mal uso dos recursos, a Terra vive seus próprios ciclos de mudanças. Isto é fato!

A magia da vida reside justamente em perceber que a natureza é o universo em si e que ele se apresenta através das suas manifestações, ou seja, somos o Microcosmo atuando constantemente dentro do Macrocosmo da Terra.

Ao estarmos cientes deste princípio, percebemos que ao mudarmos nós mesmos, estaremos contribuindo com a mudança de todo o UNIVERSO.

E isso é maravilhoso, porque nos tornamos muito mais responsáveis por nossos atos, palavras e ações.

Essa trilogia de atitudes - só poderia ser três, tal como o número sagrado dos CELTAS - e que nos torna seres energeticamente completos. Essa energia é o combustível que move o mundo, sendo considerada a base de toda a magia natural e do nosso caminho druídico.



"Costuma-se dizer que a magia foi a primeira religião do homem e que ao utilizarmos amorosamente as forças da natureza para causar mudanças benéficas, integramo-nos a elas. Essas forças foram personificadas aos Deuses e Deusas e sintonizar-se a Eles é a base da verdadeira religião."

Como seres divinos que somos, passemos a respeitar estes ciclos da vida, em profunda gratidão a tudo e a todos...

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

29 de junho de 2011

Caminho do Guerreiro

Entre o uso do poder para viver em harmonia e a entrega do mesmo, apenas para sobreviver, por onde a humanidade escolheu caminhar?

A força contida no homem é enorme e, mesmo assim, vivemos há mais de dois mil anos negando essa energia, essa força, alternando-a entre o medo e a razão de existir.

Até quando as pessoas viverão alienadas?

Quantas doces palavras encobertam esse adestramento mental, desde a literatura convencional aos infinitos cursos de "auto-ajuda" que, infelizmente, também se estendem ao meio pagão.

Tudo é questionável e sensorial... Basta sentir qual a verdadeira intenção de cada livro, filme, site, curso, palestra e palestrante.

Questione tudo, tudo mesmo!

Lembre-se: somos parte inseparável da natureza e a terra é que sustenta toda a nossa existência.

Para alguns, reconectar-se com essa energia, será uma tarefa fácil, tal como retornar ao lar, mas, para outros, será uma luta constante, tamanhas são as suas resistências em mudar.

Os antigos usavam sabiamente essa força guerreira, pois um bravo guerreiro vivenciava a verdade e, acima de tudo, agia com honra e sinceridade. Esse era o seu lema!

"Às vezes, a maestria num caminho incluía o estudo de outro, como na exigência para ser um dos guerreiros de Fianna, ao serem capazes de memorizar, compor e declamar vários poemas. As artes do guerreiro requeriam disciplina física similar à dos praticantes das artes marciais e podiam levar uma vida inteira para dominá-la, assim como as artes práticas de um druida."

O Caminho do Guerreiro Celta é semelhante a uma antiga parábola xintoísta da espada, que diz que ela precisa ser escaldada no fogo ardente, alternada entre marteladas e água fria, continuamente, até que possa ser considerada uma boa espada. Que assim seja!

A mulher celta como guerreira, também é conhecida através das suas lendas e seus mitos. Leia a seguir: Boudicca, a Rainha Vermelha

Rowena Arnehoy Seneween ®
Créditos da imagem: Luca Tarlazzi


23 de junho de 2011

Novos Artigos - Junho/2011

Novidades do Templo... "Os mitos são pistas para as potencialidades espirituais da vida humana." Joseph Campbel.

Anna Leão, publicou:
- O Calor do Inverno

Audrey Donelle Errin, publicou:
- Calar, a virtude da Terra

Leia os demais Artigos, clicando aqui.

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

18 de junho de 2011

Outros Mundos

Começar por onde a noite termina
Entre a fenda do carvalho e a neblina
Espaços para outros mundos

Realidades contidas em si
Possibilidades talvez, caminhos que vivi
Muito além da jornada da alma

Fluindo neste mar de emoções
Onde a terra revolve os corações
Despertando a luz do céu e das estrelas

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados

Durante o Solstício de Inverno os poderes da noite e as energias da terra atingem seu ápice. As noites se tornam mais longas que o dia e o inverno, por fim, se estabelece... Leia sobre: Solstício de Inverno



Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

8 de junho de 2011

Meditação - Princípios Básicos

Muitos me perguntam sobre a meditação, como ela deve ser feita e quais são os seus princípios básicos. Então, busquei os conselhos do sábio amigo e yogue Uan, Francisco Denes de Rozgonyi-Roessler, psicanalista, terapeuta holístico, poeta, escritor, músico, cantor, compositor e diretor do SPA Holístico Chácara das Rosas em Caxambu, no Sul de Minas.

"Meditação é um Acontecimento!

Este é o primeiro passo para compreender. Acontece quando o Meditador atinge interiormente a sensação de profunda tranquilidade e Silêncio. Um Silêncio dos pensamentos, da tagarelice mental, do corpo acostumado a se movimentar e que tem, portanto dificuldade em ficar imóvel, das emoções que eclodem involuntariamente, muitas vezes por reação, outras, que por não estarem resolvidas, flutuam na “Tela Mental” como uma constante lembrança, trazendo assim dificuldade para manter o Silêncio mental, a quietude interior.

Em sânscrito a Meditação é conhecida como Dhyana. Existem exercícios que levam a este Acontecimento tão Especial que são as práticas de Concentração ou Dharana. Disciplina e Dedicação são as mais importantes compreensões nesta caminhada, pois é preciso tempo e regularidade para que o Meditador seja contemplado com esta Dádiva. Um dia Acontece, mas só acontece quando não mais se espera apenas se pratica com disciplina, dedicação e entusiasmo.

A Meditação está baseada no Vazio. O Espaço Vazio no qual vivemos e nos movimentamos, assim como as células, os átomos e as estrelas. Se não existisse o Vazio não haveria lugar para se estar, para movimentar e existir. O Vazio ou Céu é real. Quando você não está vendo nada, você está vendo O Nada! Ele é assim: Invisível! E Meditar é ficar à Sua Imagem e Semelhança: Vazio... Silencioso... Eterno.

Para iniciar a prática proponha-se fazer 21 dias consecutivos a princípio, ao menos 15 minutos por vez, sempre no mesmo horário. Sugiro que seja logo ao despertar pela manhã. Sente-se na beira da cama, no chão ou numa cadeira, mantenha a coluna bem ereta, o olhar na linha do horizonte e feche os olhos, você vai para dentro de Si e lá permanece apenas observando a Si mesmo, atento, silencioso... Consciente... Esta é a Arte do Não Fazer, apenas estar Presente Observando a Si Mesmo. Um Vazio que é a Origem de Tudo.”

E como Uan me disse, gentilmente, em uma de suas vivências: observe e fique em silêncio, ouça a voz do Mundo, a voz que vem das batidas do coração da terra, o som sagrado da vida!



(Música do amigo Marcus Santurys)

Estar próximo a natureza sempre nos facilita à meditação...

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

6 de junho de 2011

Fluindo em harmonia entre os mundos

Ao cair do entardecer o fogo é acesso. Lampejos de luzes resplandecentes que brilham no céu, irradiam os últimos raios solares do dia que se finda.

Seres feéricos se aproximam da hora mágica, num leve rodopiar sob um fino véu diáfano no ar.

Ventos gélidos da estação que nos enrijecem os ossos, anunciam o frio da alma que está por vir.

Começa a celebração aos ancestrais. A ancestralidade presente em nós através das três famílias: Deuses, antepassados e espíritos da natureza. Os portais são abertos e os mundos outra vez se encontram.

Chegou o momento tão esperado... Os poderes do Outro Mundo agora nos são ofertados com a chegada da erva sagrada, um líquido viscoso que desce suave, tal como o vinho com um toque amargo no fim, atenuado juntamente com uma pequena uva, que acaricia o paladar.

Ao som envolvente de músicas que nos remetem à celticidade de nossas almas, uma orquestra de cores brilhantes sob as pupilas dilatadas, no recinto iluminado pelas chamas das velas.

Aromas que se misturam ao incenso e dançam no ar, num vai e vem de seres diáfanos.

A voz se apresenta firme e cada participante ouve, nitidamente, seu anunciar breve, profundo e sincero. Sem rodeios, ela comanda por onde cada um deverá caminhar.

A limpeza também se processa naqueles que precisam, imediatamente, expurgar seus medos e suas angústias.

Nada fica escondido.

O frio chega cortante e a alma gela, estremece, encolhe e retorna ao útero materno. Mas o amor aquece e liberta!

Finalmente, as amarras são desfeitas e a alegria inunda as mansões da lua escura no céu.

Os pés teimam em dançar a música do coração, o chamado que toca forte num pulsar de vibrações multicoloridas. A luz se expande e a voz anuncia que o velho ciclo findou. E ainda há mais, há o transe ascendente que nos leva aos outros reinos...

A segunda dose chega de surpresa, bem menos, mas muito mais rápida. A voz sagrada do Mestre nos conduz, ainda mais, ao Outro Mundo, não há mais o que pensar, não há como voltar... O vôo começa tão alto como nunca antes imaginado, tão mágico como sempre foi.

A sensação familiar de outros tempos, agora está em plenitude com o Todo, não há mais o que temer. A limpeza se processa no meu ser e o formigamento me faz perceber que estou livre, novamente. Posso flutuar suavemente e fluir em harmonia por entre os mundos.

E, assim como iniciamos, encerramos mais um rito em profunda gratidão a tudo e a todos... Awen!

(Céu estrelado de Van Gogh)
Que assim seja!

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados

22 de maio de 2011

A Magia de Paranapiacaba

Durante os dias 14 e 15 de maio de 2011, tivemos o prazer e privilégio de estar em um evento mágico, rumo à Jornada da Alma - tema da Convenção de Bruxas e Magos em Paranapiacaba - São Paulo.

Um local muito simples, mas extremamente aconchegante, com suas casas de madeira, clima típico de serra com direito às brumas, frio e muita energia feérica no ar.

A palestra fluiu maravilhosamente bem, com a presença de pessoas incríveis, em total sintonia com as três famílias: os Deuses, os ancestrais e os espíritos da natureza.

Compartilho um pouco desta emoção... Gratidão a tudo e a todos!


Leia mais em: Druidismo em Paranapiacaba 2011

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

11 de maio de 2011

O Herói


"O herói, por conseguinte, é o homem ou mulher que conseguiu vencer suas limitações." Joseph Campbell.

Aos amigos do Caminho... Fáilte, Samhain!

Leia mais: Tuatha Dé Danann e a Batalha de Moytura

Rowena Arnehoy Seneween ®
Créditos da imagem: Luca Tarlazzi

10 de maio de 2011

A Jornada da Alma

8º Convenção de Bruxas e Magos
Paranapiacaba - São Paulo
Dias 13, 14 e 15 de maio de 2011


Palestrante: Rowena Arnehoy Seneween
Data: 15/05 - Domingo às 12:00hs
Local: Casa Amarela

Espiritualidade Celta Reconstrucionista
e a Triplicidade dos Mundos

Descrição: Resgatar a espiritualidade celta, voltada aos dias atuais, visando um contexto cultural, linguístico e religioso, reconstituindo as culturas celtas, através do estudo histórico, antropológico e arqueológico, além de vivenciar os Três Mundos no cotidiano.

O Mundo Celta

O simbolismo mágico e de poder do número três era comum aos povos celtas, pois representava os ciclos de vida, morte e renascimento. Há vários mitos celtas onde poderemos observar a sua presença, tanto na iconografia histórica como na religiosa, descrita de forma clara e precisa, relacionando-o aos Deuses.

Essa triplicidade, considerada sagrada para eles, está perfeitamente elucidada nos três reinos: Céu, Terra e Mar. Elementos que compunham todo o seu Universo e simbolizam as três esferas do nosso ser: corpo, mente e espírito. E, que por sua vez, eram vistos da seguinte maneira:

O Céu, que está sobre nossa cabeça e nos oferece o Sol, a Lua, as estrelas e as chuvas que fertilizam o solo.

A Terra, que está sob nossos pés e nos dá o alimento, nos abriga e faz tudo crescer - são as raízes fortes das árvores.

O Mar é a água que está em nós, representa o Portal para o Outro Mundo, que sacia a sede e nos dá a vida.

Esses três elementos são interdependentes e cada um possui seu próprio significado, mas que dependem um do outro para continuar existindo, permitido assim, que o nosso mundo também exista em perfeita interação. Essa cosmologia não-dualista é bem diferente dos quatros elementos e da visão grega, pois os celtas viam tudo na forma de tríades.

Evento: Promovido pela "Casa de Bruxa" de Tânia Gori.

O convite de entrada para o evento poderá ser adquirido até sexta feira, dia 13 de maio, às 17:00hs, por R$20,00, na Casa de Bruxa e, no local, nos dias 14 e 15 de maio, em Paranapiacaba, por R$25,00. O convite é válido para os 2 dias, dando acesso às palestras e algumas oficinas.

Informações sobre o local e como chegar, clique aqui.

Nos encontramos lá... Beijos e bênçãos!

Rowena Arnehoy Seneween ®