21 de dezembro de 2012

Solstício de Verão

Que possamos orar por um bom fogo, assim como nossos antepassados fizeram em tempos anteriores e como nossos filhos também o farão em tempos vindouros. Como a vida é um ciclo eterno sem começo e nem fim, caminhamos, novamente, para a metade escura do ano.

"Áine, Rainha dos reinos feéricos de eterno verão
A Soberana da Terra e do Sol,
Iluminai-nos agora com a luz brilhante desta estação!"

Este é o momento em que celebramos o Solstício de Verão, quando o Sol está no auge do seu poder, abençoando-nos com muita abundância e prosperidade. Que assim seja!

Feliz Solstício a todos! /|\

Leia mais: Sobre o Solstício de Verão



Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

17 de dezembro de 2012

Alma Dançante

Uma alma dançante,
Um contraste verdejante
Que apenas quer dançar...
Dançar!

Danço no encanto,
Ora marco compasso
Outra me perco sem pensar
Na dança deste olhar

Sedução irresistível
Sobre o manto da noite
Que encobre movimentos
Sutis de cálidos ventos

Uma alma dançante,
Entre o céu e a terra
Que apenas quer dançar...
Dançar!



Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados.

22 de novembro de 2012

Inspirações do III EBDRC

Homenagem do grupo Caer Siddi aos participantes do III Encontro Brasileiro de Druidismo e Reconstrucionismo Celta, edição 2012.


Juras do Fogo Sagrado

Ao redor do Fogo Sagrado,
muitas juras eu ouvi
De sábios poetas, guerreiros e curadores,
na casa do cândido javali.

Promessas foram feitas,
compromissos foram firmados
Com a sacra terra, a velha Tradição,
com os deuses dos antepassados.

Então, caro irmão,
das tuas juras não te esqueças
Para que não se abra o chão,
Nem o céu caia sobre nossas cabeças.

José Paulo Bach Almeida
(Grupo Caer Ynis)

Saiba mais: Blog EBDRC

Rowena Arnehoy Seneween
Gratidão e até o próximo IV EBDRC - 2013!
Homenagem ao III EBDRC

14 de novembro de 2012

Canção da Ama

Por William Blake

Quando se ouvem nas campinas os risos dos pequeninos
E as suas vozes também,
Meu coração satisfeito se aquieta dentro do peito,
E tudo o mais está bem.

“A casa tornai, crianças, que o sol descai,
E o orvalho da noite desce;
Deixai os jogos por ora, e vamos todos embora,
Até que a manhã regresse.”

“Não, não, deixa-nos brincar, pois ainda há sol a brilhar,
E não podemos dormir;
E os céus azuis se povoam dos passarinhos que voam,
E ouve-se a ovelha balir.”

“Bem, ide ao campo e brincai, enquanto a luz não se vai,
E após, correi para a cama.”
E os pequeninos saltaram, e sorriram, e gritaram,
Fazendo ecoar por toda a montanha.



Então, estarei lá... Mesmo que em pensamento!

Leia também: Meditação com os Elementos do Corpo

Rowena Arnehoy Seneween ®

30 de outubro de 2012

Unindo-se ao Bosque Sagrado

Que a Voz do Fogo da Sabedoria,
Guie-nos no caminho da Verdade
Que a Voz do Poço da Inspiração
Guie-nos no caminho da Renovação
Que a Voz do Bosque Sagrado
Guie-nos nesse caminho abençoado.

Declaração do Propósito

Assim como os antigos fizeram antes de nós, vamos agora fazer e assim os nossos descendentes também o farão. Reunimo-nos no Bosque Sagrado para celebrar o Festival de Beltane e dar boas-vindas ao verão, que se aproxima. A água como o fogo, regenera e revitaliza a nossa existência, aumentando o poder da vida e da criação, dando-nos prosperidade e abundância, curando o passado e abençoando-nos com o presente.

Bíodh Sé... Que assim seja!


Leia mais: Sugestão para celebrar Beltane

Rowena Arnehoy Seneween ®

18 de setembro de 2012

O ritmo da floração

Pesquisando sobre dança e movimento, conheci a técnica "Cinco Ritmos", que são: fluxo, staccato, caos, lírico e quietude. Muito parecido, em alguns pontos, com a Biodança de Rolando Toro e a Bioenergética.

"O 5Rhythms é uma prática de meditação em movimento idealizada por Gabrielle Roth à partir de tradições indígenas do mundo, utilizando princípios xamãs e filosofia oriental. Inspira-se, também, no princípio da Gestalt-terapia, no movimento do potencial humano e na psicologia transpessoal. O fundamental dessa prática é a ideia de que tudo é energia e se move em ondas, padrões e ritmos."

A dança desperta os elementos do corpo e esses, nos levam a meditação dinâmica, facilitando assim, a cura e o equilíbrio interior. Uma bela inspiração para celebrarmos o tempo de floração da Primavera.

Que assim seja!

Rowena Arnehoy Seneween ®

30 de agosto de 2012

Nossos colunistas

"Dentro de cada um de nós existe uma voz interior: ela é chamada de consciência, alma, guia interior... Essa voz interior nos incita e mostra o caminho. Sintonizações devem ser feitas todos os dias para que possamos obter o conhecimento da alma." - Caitlín Matthews.

Gratidão aos nossos colunistas hoje e sempre!


Para conhecê-los e ler seus artigos, clique aqui.

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

24 de agosto de 2012

O Caminho do Xamã

"Ao se envolver com prática xamânica, a pessoa move-se entre o que chamo de um Estado Comum de Consciência (ECC) e um Estado Xamânico de Consciência (EXC). Esses estados de consciência constituem as chaves da compreensão de como, por exemplo, Carlos Castaneda pode falar de uma "realidade comum" e de uma "realidade incomum". A diferença entre esses estados de consciência pode ser exemplificada, talvez, por meio de animais... do toque de tambor.

Dragões, grifos e outros animais que consideraríamos "míticos" quando estamos em ECC, são "reais" quando estamos em EXC. A idéia de que há animais "míticos" é válida e útil interpretação na vida ECC, mas supérflua e irrelevante em experiências EXC. Pode-se dizer que "fantasia" é uma palavra aplicada por uma pessoa em ECC ao que está sendo experimentado em EXC. Em contrapartida, uma pessoa em EXC pode perceber as experiências em ECC como ilusórias, em termos de EXC. Ambas estarão certas, conforme o estado de consciência de cada uma.

O xamã tem uma vantagem: é capaz de mover-se entre estados de consciência à vontade. Pode entrar no ECC de alguém que não seja xamã e concordar, honestamente, com ele, sobre a natureza da realidade vista a partir daquela perspectiva. Então, o xamã pode voltar ao EXC e obter uma informação direta do testemunho de outras pessoas, que relataram suas experiências quando naquele estado.

A observação a partir dos próprios sentidos é a base para uma interpretação empírica da realidade. E ainda não existe ninguém, mesmo nas ciências da realidade comum, que tenha provado, incontestavelmente, que existe apenas um estado de consciência válido para observações diretas. Sendo assim, o mito do EXC é a realidade comum e o mito do ECC é a realidade incomum."

Por Michael Harner



Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

2 de agosto de 2012

Inspiração de Brighid

"Lendas são lições que carregam a verdade...
Pois somos livres para escrever a nossa história."



Em honra aos três poderes de Brighid: o Fogo, a Poesia e a Cura.

Seguindo o fluxo, sempre... Awen /|\

Rowena Arnehoy Seneween ®



Leia mais: Festival de Imbolc

22 de julho de 2012

Raízes Eslavas

As línguas eslavas são um dos ramos mais importantes das famílias de línguas indo-europeias. E existem três ramos principais: Eslavos Ocidentais, falado por poloneses, tchecos, eslovacos e germânicos; Eslavos do Sul, falado por búlgaros, sérvios, croatas, eslovenos, moldavos, macedônios e pessoas de Montenegro e da Bósnia-Herzegovina; e Eslavos Orientais, falado na Rússia, Ucrânia e Belarus.

No entanto, todos estes idiomas estão intimamente relacionados e, certamente, são bem conhecidos no dias atuais.

A antiga religião eslava pode ser vista como um desenvolvimento natural da religião proto-indo-europeia. Os mesmos elementos, em forma de cognato, são encontrados em ambas. Infelizmente, não temos textos sobre a religião pagã eslava, como os gregos, por exemplo. A maioria das primeiras referências escritas, sobre os pagãos eslavos, são referências breves e imprecisas feitas por cristãos. No entanto, há uma vasta quantidade de costumes populares, poesias, canções, danças e lendas que carregam várias ideias pagãs sobre suas tradições, confirmando à relação ancestral da religião eslava com a religião indo-europeia.

A mitologia eslava, bem como a mitologia polonesa, fala sobre o aspecto mitológico da religião politeísta praticada pelos antigos eslavos antes de cristianização. Os Deuses pagãos polacos possuem uma relação direta com muitos eslavos, como os mitos de seres sobrenaturais encontrados, também, entre os povos que habitam a Europa Central e Oriental.

Além das minhas raízes galegas, faço uma singela homenagem às raízes eslavas: Olenski e Zawitoski... Sława!



Música: Grupo Percival - Pasla

Fonte: Paganismo Eslavo e Línguas Eslavas

Rowena Arnehoy Seneween ®

10 de julho de 2012

Universos em nós

Quanta energia desperdiçada para provar que o universo é perfeito!

E qual a novidade?

Tal como a história da ovelha que aqui é preta e, ao passar para o Outro Mundo, se torna branca, descrito nos Immrama (a viagem pelo mar de Maelduin, um herói irlandês - o mar representa a transição entre os mundos) que, apesar de ser escrito na era cristã, conservou muito dos antigos mitos celtas e sua visão do todo.

Um ciclo contínuo em espiral, onde sempre há renascimento e renovação!

O mundo é complementar e único, não há dualidade. Mas, infelizmente, o ser humano se tornou o grande destruidor da natureza. Mas, e daí? Um dia ele alcança a iluminação (inspiração) e muda.

Se não mudar, o universo se encarrega de mudar!

Isso se aplica até na teoria dos buracos negros, como explica o pesquisador polonês Nokodem Poplawski: "Talvez os massivos buracos negros que existem no centro da Via Láctea e outras galáxias, sejam portais para outros universos." Como se estivessem conectados a uma ponte, se tornariam brancos. Coincidência?

A ciência apenas está provando o que os nossos ancestrais já sabiam.

Pois o amor é a verdadeira energia que move o mundo... Que assim seja!

Rowena Arnehoy Seneween ®





Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Música: Narayana / For Your Love - Krishna Das

Leia sobre: Os Contos e os Mitos Celtas

2 de julho de 2012

Sussurro das Runas

Triste são os dias que agora nos separam
Ventos frios que ecoam na memória,
Outrora tão presentes em nosso viver...
Restando apenas, a esperança no alvorecer!

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados.





E para entender, basta sentir!

Música: Eivør Pálsdóttir - Stenristarna

Mensagem dos Deuses para este mês: Runas e Ogham

4 de junho de 2012

Correspondências - Runas e Ogham

1. Feoh (riqueza) - Fearn (amieiro) (f)
2. Ur (auroque) - Úr (terra/argila/solo) (urze) (u)
3. Þorn (espinho) (þ) (th)
4. Ós (deus) / Ác (carvalho) / Æsc (freixo) - Ailm (abeto/pinheiro) (a)
5. Rad (corrida) - Ruis (vermelho/vermelhidão) (sabugueiro) (r)
6. Cen (tocha) - Coll (bela madeira) (aveleira) (k/c)
7. Gyfu (dom/generosidade)/Gar (lança) - Gort (campo) (hera) (g)
8. Wynn (alegria) (w)
9. Hægl (granizo) - hÚath (horror/medo (epinheiro-branco) (h)
10. Nyð (necessidade/dificuldade) - Nion (forquilha/sótão) (freixo) (n)
11. Is (gelo) - Idad (teixo) (i)
12. Gēr (ano/colheira) (y)
13. Ēoh (teixo) (ēo)
14. Peorð (?) (p) - Quert (trapo, farrapo) (maçã) ??? (kw)
15. Eolh (alce) (ks?)
16. Sigel (sol) - Sail (salgueiro) (s)
17. Tir (fama/honra/deus Tir) - Tinne (barra de metal/lingote) (azevinho) (t)
18. Beorc (bétula/) - Beith (bétula) (b)
19. Eoh (cavalo) - Eadhadh (sorveira/álamo-tremedor) (e)
20. Man (ser humano) - Muin (pescoço/ardil/amor/estima) (vinha) (m)
21. Lagu (água/oceano/mar) - Luis (chama/labareda) (sorveira-brava) (l)
22. Ing (o heroi Ing) - nGétal (matança) (giesta/bambu/junco) (ŋ)
23. Daeg (dia) - Duir (carvalho) (d)
24. Éðel (herança, propriedade) - Onn (freixo) (tojo) (o)

Curiosamente, cinco caracteres do Fuþork não possuem correspondência fonética no Ogham, que são:

- Þorn (espinho) (þ)
- Wynn (alegria) (w)
- Gēr (ano/colheira) (y)
- Ēoh (teixo) (ēo)
- Eolh (alce) (ks?)

Somente um caractere ogâmico não possui correspondência no Fuþork:

- Straiph (enxofre) (espinheiro negro) (z/st/ts/?)

Belloṷesus Īsarnos



Leia também: Ogham - Estudos do Caer Siddi

Rowena Arnehoy Seneween ®

11 de maio de 2012

Aos amigos da alma...

"Deixe o seu corpo ser abençoado.
Para entender que ele
É um belo e fiel amigo da alma.
Que haja paz e alegria,
Ao reconhecer que os sentidos
São limiares sagrados.
Seja cuidadoso, pois você é sagrado!
Olhe, sinta, ouça e toque você com respeito.
Deixe os seus sentidos te levarem para casa.
E permita-se comemorar
O universo, o mistério e as possibilidades
Em torno da sua presença aqui e agora."

Anam Cara - John O'Donohue

"Sou consciente de que a minha espiritualidade e consciência espiritual andam juntas de mãos dadas." D.N.A - Druidismo Nativo Ativista - M.I.P. em Paranapiacaba... Plantando as sementes!


Gratidão aos queridos amigos da alma - Anam Cara... Aos Deuses, espíritos da natureza e ancestrais... Um carinho especial à organização de Tânia Gori e a todos que compartilharem este momento mágico na 9ª Convenção de Paranapiacaba 2012... Awen!

Rowena Arnehoy Seneween ®

4 de abril de 2012

9ª Convenção de Paranapiacaba 2012

Celebrando as forças mágicas...
9º Convenção de Bruxas e Magos em Paranapiacaba/SP
Dias 04, 05 e 06 de Maio - Participe!

Rowena Arnehoy Seneween - Caer Siddi / DNA

Local: Lira Serrano - Salão Superior
Dia: 06/05/2012 (Domingo) às 13h10min
Palestra aberta e gratuita!

Palestra: O corpo e a espiritualidade celta

Na espiritualidade celta encontraremos uma nova ponte entre o visível e o invisível, que pode se expressada na dança, na música ou na poesia. Uma perspectiva baseada no livro "Anam Cara - O livro de sabedoria Celta" de John O'Donohue, que descreve de forma poética e mágica, a relação de amizade entre o corpo físico e anímico.

Uma preparação para o III Encontro de Druidismo e RC.

Vila de Paranapiacaba em 2011
Um evento promovido por Casa de Bruxa - Tânia Gori.

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

24 de fevereiro de 2012

30 dias Druídicos - Porque Druidismo?

Antes de responder essa pergunta é preciso voltar no tempo...

Desde pequena sou considerada impertinente e até meio esquisita, algo como aquela que gostava de conversar com as árvores e sonhar que voava pelos campos. A minha família com sua diversidade cultural que ia desde os portugueses, índios, até os poloneses, tinha suas diferentes crenças, quase sempre voltadas ao cristianismo. Mas havia também, aqueles que seguiam outras religiões como a Umbanda e que, por sua vez (não sei dizer bem o porquê), incorporavam nas reuniões familiares. Adorava quando isso acontecia e, com uma curiosidade ávida, tentava entender esse intercâmbio com o Outro Mundo.

Foi a partir daí que surgiram os meus infindáveis questionamentos.

Pesquisei, estudei e li muitos livros durante anos e, quando mais nada fazia sentido, literalmente, surtei! (risos). Ouvia vozes, via vultos e conversava com todos os tipos de seres. Entrava em transe ao meditar ou durante uma simples caminhada. Nesta época, em 1999, morava em um local próximo à natureza e me dedicava à arte floral japonesa, o ikebana - que teve sua origem na Índia através do budismo. Foi, então, que os mitos e as lendas começaram a ganhar um novo enfoque pessoal.

Como bem disse Hilda R. Ellis Davidson, no livro Deuses e Mitos do Norte da Europa: "Os mitos podem nos levar a descobrir mais sobre nossa herança espiritual, e talvez perceber alguns dos defeitos no desenvolvimento espiritual do mundo moderno. O estudo da mitologia não precisa mais ser visto como uma fuga da realidade para as fantasias por parte dos povos primitivos, e sim como uma busca pela compreensão mais profunda da mente humana. Ao nos aventurarmos em explorar as distantes colinas habitadas pelos Deuses, estaremos talvez, descobrindo o caminho de casa." Finalmente, comecei a descobrir o meu caminho de volta para casa. Continue lendo...

Com as bênçãos dos Deuses, começamos a jornada!

O que são os 30 dias Druídicos?

Os temas sugeridos para essa jornada são:

1. Porque Druidismo?
2. Cosmologia
3. Terra e Natureza
4. Três Reinos
5. Elementos
6. Espaços Sagrados
7. Prática Diária
8. Divindades e Crença
9. Ancestrais
10. Espíritos da Natureza
11. Ritual
12. Roda do Ano
13. Inspiração
14. Meditação
15. Histórias
16. Poesia
17. Ética
18. Ciência e Filosofia
19. Magia
20. Oração
21. Vida Consciente
22. Família/Amigos
23. Comunidade
24. Trabalho
25. Pisando Leve
26. Distrações
27. Um Dia Druídico
28. Caminho
29. Futuro
30. Conselhos

Acompanhe os 30 dias no site: Templo de Avalon : Caer Siddi

Sob essa proposta que os bons ventos possam nos inspirar!



Rowena Arnehoy Seneween /|\
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

10 de fevereiro de 2012

Sláinte!

O silêncio nos traz as bênçãos da reflexão... Tudo está no mais perfeito equilibro, desde a bonança às tormentas! Meditar nos traz as bênçãos do discernimento... E a vida flui, entre novos e antigos amigos, caminhos que se cruzam e se reencontram! A gratidão nos traz as bênçãos dos Deuses e o ciclo se completa em nós, com "verdade, honra, justiça, lealdade, coragem, generosidade, hospitalidade, força e perseverança".

Que assim seja... Em ritmo de comemoração!



Rowena Arnehoy Seneween ®



Leia no Templo de Avalon: Avalon: a Terra dos Deuses

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

30 de janeiro de 2012

Mitologia e História Celta

Documentário legendado, em quatro partes, sobre mitos e lendas celtas.



"Que a terra é agora de vãos pesares, o trono onde a mão rude e opressora aprendeu a ferir suas plantas sobre o túmulo da glória."

Rowena Arnehoy Seneween /|\



Leia no Templo de Avalon: Os Contos Celtas

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

28 de janeiro de 2012

Lugh, o brilhante!

O Deus a quem os celtas continentais chamam de Lugus e os insulares de Lugh, é um dos melhores documentados e mais bem compreendidos dentre as divindades celtas. As provas incluem a iconografia do período pré-romano, testemunhos de escritores e historiadores greco-romanos, tradições literárias da cultura celta na Idade Média, narrativas populares modernas em línguas celtas e práticas de rituais, conservadas, principalmente, em comunidades rurais.

By Ingrid GrayWolfA sua origem é mista, pois pertence ao ramo dos Tuatha Dé Danann pelo lado do pai, Cian, e aos Fomorianos pelo lado materno, Ethniu. Uma profecia dizia que Balor, o do olho malévolo, seria morto por seu neto, o que se concretiza na Segunda Batalha de Magh Tuiredh (Moytura). Para tentar evitar esse destino, Balor mandou dar fim nos netos, mas Lugh sobreviveu e foi criado por Tailtiu.

Em Lughnasadh (Lúnasa) celebramos a festa da primeira colheita. Lugh ficou conhecido pela alcunha de "Lámfada" - dos braços longos - e "Samildanach" - múltiplo artesão. É o Deus dos ferreiros, cujo domínio incluía a magia, as artes e todos os ofícios em geral, o Senhor dos mil talentos. Lugh, o Brilhante!

Em toda a Irlanda e em muitas outras partes do mundo celta, a celebração de Lughnasadh ou de qualquer outra festa da colheita, está centrada nos primeiros frutos de plantas cultivadas, que foram levados para uma local para serem abençoados e compartilhados pela comunidade, em honra a soberania da terra, representada pela mãe adotiva de Lugh, Tailtiu.

Leia mais no site: Templo de Avalon - Caer Siddi

Boa colheita a todos!

Rowena Arnehoy Seneween /|\
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo

10 de janeiro de 2012

A luz da renovação

Entre os ciclos infindáveis da forma

Sou o vento cálido, augusto e sagaz
Que traz o conforto e a paz
Sou a terra envolvente, firme e estável
Que traz segurança imensurável
Sou o céu límpido, claro e transparente
Que traz a inspiração original do poente

Onde tudo se renova e se transforma!

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados.





"As flores são idos, belas em sua antiga glória." - Faun.

Bênçãos do Céu, da Terra e do Mar!