15 de dezembro de 2013

Gratidão ao IV EBDRC!

"Com alegria no coração, carrego a sua magia por toda minha vida."



Tocam os tambores na mata
A tribo responde ao chamado
Somos muitos e seremos cada vez mais
Ressurgindo de todos os lugares

Compartilhando, sorrindo,
Abençoando, curando,
Comemorando, abraçando,
Se unindo e crescendo

Assim seguiremos!!!

Mário Ceallaghan
Todos os direitos reservados.

A natureza plena de luz e magia: Solstício de Verão.

14 de novembro de 2013

IV Encontro Brasileiro de Druidismo e RC

Palestra: Vivenciando os Nove Elementos
Rowena A. Seneween – Caer Siddi
Sábado 16/11 – 15h15 às 16h15

Ao vivenciarmos os nove elementos (dúile), construiremos uma ponte entre o visível e o invisível, que fluirá, de forma poética, entre o corpo físico e o anímico. “O corpo está na alma e esse reconhecimento dá a ele uma dignidade sagrada e mística.” John O’Donohue. Inspiração, cura e equilíbrio interior fluindo através dos três reinos (dança e tambores), os Caldeirões da poesia e as mensagens do Ogham.


"A Árvore do Mundo é o ponto central sobre o qual o Cosmos gira e onde os vários mundos são suspensos ou da qual eles crescem em harmonia."

Bênçãos do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

31 de outubro de 2013

Convite: Feira Medieval "Entre Mundos"

Venha participar! "Baseada na importância do conhecimento sobre fatos históricos que mudaram o destino da Humanidade queremos através da Feira Cultural da Idade Antiga e Medieval "Entre Mundos", dar oportunidade para que o público possa reviver através da arte, música e dança uma pequena parcela deste tão importante período da nossa história.



Com o propósito de arrecadar verba para a entidade Associação Mata Ciliar, contaremos com participação colaborativa de artistas, professores, músicos, palestrantes, dançarinos, cantores, atores, poetas, trovadores e amantes da história clássica antiga e medieval."

Palestra com membros do D.N.A - Druidismo Nativo Ativista:

"Druidismo, um sopro moderno para uma antiga mensagem"

Tópicos da palestra:
Apresentação do D.N.A
Os Celtas
Druidismo
Ambientalismo Sagrado
Ecologia Profunda.

Dia 02/11/2013 - 15h30 - Sala de Palestras
Clube de Campo da Cica - Várzea Paulista
Região de Jundiaí - São Paulo
Programação: Feira Entre Mundos

Nós veremos lá... Feliz Beltane/Samhain a todos!

Leia também: Sugestão para celebrar Beltane

Rowena Arnehoy Seneween ®

22 de setembro de 2013

A semente que germina

A cada passo um novo aprendizado
Alcançado e conquistado
Com a força do guerreiro
Que desbrava seu caminho com lucidez

Uma montanha que se alcança
Ao se escalar o desejo da esperança
Tal como o sopro de inspiração
Que flui ao extravasar o caldeirão da cabeça

A semente que germina no ser
É plantada no coração
Defronte ao terreno fértil
Daqueles almejam a divinação

Que assim seja!

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados.



Leia mais: Equinócio de Primavera

1 de agosto de 2013

Brighid - Bríg Cáinte

Em honra à Brighid, amada:

O meu forjar não é somente para moldar
Também não sou a mãe que apenas conforta
E a minha poesia não é só para elogiar

Para moldar o guerreiro...

Eu sou a chama da renovação
Eu sou o terror que ronda o opressor
Eu sou a água que purifica os campos
Eu sou o malho que golpeia a ilusão

Para inspirar a batalha...

Eu sou a fúria do fogo
Eu sou a tocha dos Fianna
Eu sou a voz que exige justiça
Eu sou a canção da palavra que rogo

Para calar o inimigo...

Eu sou o medo do traidor
Eu sou a força da espada
Eu sou o sangue que corre nas veias
Eu sou a morte do caluniador

Eu sou a Cáinte, que lança
Maldições e cantos aos adversários
Por Bríg Ambue, a portadora da esperança.

Que assim seja!

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados.



Fonte: Bríg e a Maldição dos Campos de Batalha

30 de julho de 2013

Os primeiros sinais da primavera

Poderia descrever muitas bênçãos de Bríg em nossas vidas... Então, através dessas singelas palavras, agradeço a nossa terra local e os três poderes de Brighid: o Fogo, a Poesia e a Cura... Awen /|\


Uma bela inspiração que flui através da música de Damh, the Bard:


Feliz Imbolc a todos!

Leia também: Imbolg - texto original de Iain MacAnTsaoir

Rowena Arnehoy Seneween ®

17 de junho de 2013

Tempo do equilíbrio

O Solstício de Inverno, época de regeneração e de mudanças.

"Benditos os que saíram cantando pela rua,
Que o eco de suas vozes perdure
Bendita a caminhada dos pés leves,
Que as pegadas deixadas apontem o caminho
Bendito o caminho a custo alcançado,
Que canções preservem seu nome..." Por Endovelicon.


Um dia para ser lembrado... #BrasilAcordou!

Sugestão para celebrar o Solstício de Inverno

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

28 de maio de 2013

Paranapiacaba 2013

"Nunca estamos sós, é verdade.
É bom saber que temos amigos em quem podemos confiar.
Pessoas que nos apóiam e nos acolhem com tanto carinho.
Pela luz que irradia em nossas vidas.
Pelo amor em nossos corações.
Pelas amizades tão queridas.
Pela paz e a emoção.
Pelo desencanto que leva ao crescimento.
Pela noite que dura só um momento.
Pelo dia tão perfeito.
Por todos os dons que pela eternidade são nossos...
Gratidão!" - Por Tânia Gori
10ª. Convenção de Bruxas e Magos



A magia de Paranapiacaba!

Rowena Arnehoy Seneween ®

29 de abril de 2013

Morgana, Rainha do Outro Mundo

"Podemos dizer que nenhuma personagem mitológica feminina exerceu tanto fascínio e mistério quanto a irmã de Arthur. Morgana, a fada...

Conhecer Morgana é evocar o antigo saber das mulheres. Portanto, é necessário vasculhar os antigos romances, os antigos poemas, as antigas canções, o que era próprio deste nobre saber.

De Morrighan, Morgana herdou seu saber, o saber das artes da guerra...

Onde as habilidades de Morrighan, a Grande Rainha, foram indispensáveis à vitória nas batalhas dos Tuatha Dé Danann, que com suas canções, incitavam os guerreiros em fúria para o calor das batalhas.

Por vezes, vemos Morgana ao lado de Arthur, outras contra o seu irmão organizando complôs e instigando a guerra entre os cavaleiros da Távola Redonda e, por fim, levando Arthur moribundo para a Ilha de Avalon.

Arthur, assim como o guerreiro CuChulainn, que amargamente saboreou a impotência do orgulhoso herói diante da Grande Rainha."

Leia mais: A Grande Rainha na véspera de Samhain


Feliz novo ciclo... Fáilte, Samhain!

Rowena Arnehoy Seneween ®

17 de abril de 2013

Ondas da Consciência

As brumas do cachimbo sagrado
Fluem soltas pelo meu mundo
Dançam envoltas neste bailado
Entre as ondas da consciência

Misto de luz num raro efeito
Produzem partículas de pura energia
E nos conduz ao estado rarefeito
Ao ser observado como uma onda

Ondas de um mar espumante
Despertam o desejo ardente
Que circulam o objeto relutante
Dissolvendo-se na escuridão do todo

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados.



Arte: Mário Ceallaghan Anderyatt

Pensamento do dia: "Quando os símbolos são traduzidos em movimentos, acordam na alma imagens esquecidas e levam a experimentar uma profunda consciência de nós mesmos." - Maria-Gabriele Wosien.

5 de abril de 2013

Teia da Vida

"Isto sabemos.
Todas as coisas estão ligadas
Como o sangue
Que une uma família...

Tudo o que acontece com a Terra,
Acontece com os filhos e filhas da Terra.

O homem não tece a teia da vida;
Ele é apenas um fio.
Tudo o que faz à teia,
Ele faz a si mesmo."

TED PERRY, inspirado no Chefe Seatle.



Que assim seja!

100% D.N.A.: Druidismo Nativo Ativista

Rowena Arnehoy Seneween ®

20 de março de 2013

Invocação a Mabon e a Modron

Ó grande e poderoso Mabon
Que ao ser libertado,
Trouxe claridade à escuridão.

Venha a nós como o Portador da luz
Venha a nós como o Portador da paz
Venha a nós como o Portador das colheitas

Modron, a Mãe Divina de Mabon
Modron, a Senhora de Avalon
Modron, a Portadora das Colheitas

Mãe Terra, no momento do equilíbrio,
Confiamos nossas vidas aos seus cuidados
Senhora, traga-nos sempre a paz, o amor e a lucidez

Que assim seja!



Lenda e mitos: Culhwch e Olwen - Mabinogion

Rowena Arnehoy Seneween ®
Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

14 de março de 2013

Amor não é gênero

Continuando pela série de Caminhos percorridos... Compartilho às mudanças de paradigmas que nos envolvem, principalmente, depois da atual e conturbada política brasileira sobre os direitos humanos.

Em 2006 no espaço cultural Mahatma em Santo André, local onde dava aulas de Biodança, conheci o Prof° Hélio Couto, pesquisador e estudioso da física quântica e que vem desenvolvendo um trabalho bem interessante... Desmistificando assim, conceitos, crenças e equilibrando questões intrínsecas no despertar da consciência do ser.

Podemos fazer uma analogia ao que acreditamos como força Criadora, Soberana e Multifacetada na forma de divindades celtas, além da ancestralidade e os espíritos da natureza, que estão em nosso caminhar dentro deste contexto do Todo.

Enfim, reflitam sobre a divindade da mulher e o amor livre de gêneros e preconceitos, pois toda história tem um fim e um novo começo.


Leia também: Divindades e Crença

Rowena Arnehoy Seneween ®

9 de março de 2013

Pensamento do Mês

Enquanto se reproduzir tudo sem antes pensar, questionar e agir... Os direitos humanos, dos animais e do planeta estarão sempre ameaçados. Mas como dizia o físico Richard Feynman: "O fato de entender os átomos de uma rosa, não me impede de apreciar a flor como uma rosa." Ainda acredito em mudanças!



Bênçãos do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

1 de março de 2013

Desmitificando os Celtas

"E nas fronteiras do Outro Mundo transitam Deuses, antepassados e espíritos da natureza. Essa cosmologia não-dualista é bem diferente dos quatros elementos da visão grega, pois os celtas viam tudo na forma de tríades." - Trecho do livro Brumas do Tempo.

Para quem ainda não viu, assista esse documentário cultural direcionado ao público infanto-juvenil. Simples e elucidativo!



Nos mais, não confundam história com ficção!

Leia também: Quando os Celtas se tornaram Celtas?

Rowena Arnehoy Seneween ®

21 de fevereiro de 2013

Totem Ancestral

Totem, espírito guardião ou animal de poder, na visão xamânica, é uma determinada qualidade energética com a qual os humanos se conectam desde o nascimento — ainda que não tenham consciência disso — e que serve de âncora na Terra. É a forma que o ser espiritual sutil encontrou para estar presente na vida física.

Sem o Totem, acreditam os xamãs das mais diferentes tradições, seria quase impossível o homem sobreviver.

Durante muitas eras os xamãs acreditaram que seu poder era o mesmo que o dos animais, das plantas, do Sol, de todas as energias e elementos da natureza. Estes curandeiros também se sentiam parentes dos animais, encontrando raízes comuns às duas espécies de milhares de anos.

Tal paraíso — fundamentado na total integração entre o homem e a natureza — é recriado nos rituais xamânicos, e cabe ao xamã, em estado sensibilizado e alterado de consciência pelas músicas, cânticos e movimentos, recapturarem a sabedoria e os ensinamentos dos animais.

A energia invocada é a da espécie ao se referir à "iluminação e visão da Águia", à "coragem do Urso", à "força da Onça" ou à "astúcia da Raposa". As características individuais representam o espírito guardião de uma pessoa e se torna uno com todos os gêneros a que pertence.

Estes espíritos guardiões trazem a sua medicina, o seu poder, força e capacidade de cura. Assim é, por exemplo, que o Lobo e a Cobra devoram as doenças durante as cerimônias de pajelança; o Urubu se torna o faxineiro que limpa os resíduos tóxicos — emocionais e físicos — de feridas profundas, desta e de outras vidas.

O homem comum sintonizado com o seu Totem aplica no dia-a-dia os ensinamentos que recebe. É assim que as mudanças podem acontecer, como o suporte do Castor, chamado de "construtor dos sonhos" ou do Gato do Mato que convida à discrição e à busca interna pessoal.

O poder do Totem torna o homem mais resistente às doenças, ele traz grande vigor que repele forças exteriores invasivas (definição que os nativos dão às doenças). Do ponto de vista xamânico, em um corpo cheio de poder não é fácil a entrada das energias doentias.

Nos tempos paleolíticos e neolíticos (35.000 a.C. a 3.000 a.C.) e nas selvas primitivas mais recentes, o homem aprende sobre os animais, observando-os em seu habitat, como se relacionam e onde reside o seu poder. Os povos primitivos e atuais, vendo-se ligados à natureza, tentam capturar este poder imitando-os, observando, dançando e usando seus elementos, como penas, chifres, ossos, etc.

Tanto para quem chama os animais de poder para realizar rituais de cura e expansão da consciência, quanto para quem se volta para si buscando às suas relações pessoais, os espíritos guardiões aí estão, prontos a caminharem com os humanos, dando-lhes suporte e energia para se tornarem pessoas melhores, mais responsáveis e comprometidas com o bem-estar da Terra e de todos os seres que nela habitam.

E como nos lembra o antropólogo Michael Harner: "os espíritos guardiões são sempre benéficos e jamais prejudicam aquele que os possui (...) por mais feroz que ele possa parecer..."

Adaptação: Magia Xamânica de Derval Gramacho e Victória Gramacho

Totem ancestral... "A onça-pintada é considerada um dos animais-símbolo da diversidade da fauna brasileira por ser encontrado em quase todos os biomas do país e que figura na lista de espécies vulneráveis do Ibama." Leia mais em: Isto É Independente

Rowena Arnehoy Seneween ®


Despertar à consciência ao totemismo individual dentro de nós como um relacionamento íntimo de amizade e proteção. Que assim seja!

31 de janeiro de 2013

Invocação a Lugh e Taltiu

Lugh, o vitorioso, nós adentramos o bosque sob o seu escudo,
Que possamos permanecer em paz, levando alegria entre os mundos.
Oferecemos este pão, para que a colheita
Possa florescer pela mão do lavrador.
Lugh, do cavalo branco e das lâminas brilhantes,
Senhor de todas as habilidades,
Que possamos socorrer a terra, afastando a praga
E o granizo, honrando a unidade.
No Bosque dos Velhos Caminhos,
Abençoai o coração dos que honram a Terra.
Lugh, filho da luz que veio do céu,
Mestre de todas as artes de um campeão.
Que possamos caminhar com sabedoria
E coragem, com a lança de um guardião.
A força resplandecente que nos guia
Pela roda do tempo sem fim...

Que assim seja!



Imagem: Taltiu de Jim Fitzpatrick

Rowena Arnehoy Seneween ®
Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Leia mais: Sugestão para celebrar Lughnasadh

30 de janeiro de 2013

Caminhos percorridos...

Logo depois que me formei em educação física em 1990, inicie o curso de lato sensu em condicionamento físico e, posteriormente, dança em movimento e a Biodança.

Apesar dos princípios das linhas de vivências fundamentadas na visão de Rolando Toro (vitalidade, afetividade, sexualidade, criatividade e transcendência), ainda sentia que faltava algo... Foi então, que comecei a fazer aulas de Bioenergética e Biodança com Luiz Antonio Gasparetto e, o amigo e coreógrafo, Baltazar Vieira. E uma nova perspectiva se abriu a minha frente. Além do mais, tive a oportunidade de conhecê-lo bem de pertinho e conviver com essa pessoa extremamente inspiradora.

"Retomar a ousadia, a vontade de viver, equilibrando a mente e satisfazendo a alma, sempre por meio da dança." - Gasparetto.

Transcrevo aqui, um trecho do livro: Faça dar certo!

"Toda escolha que se faz, a qualquer momento, modifica ou mantém estruturas que você mesmo criou.

O 'carma' não existe e não há nenhuma tarefa especial que você precise cumprir para saldar seus débitos. O conceito de missão especial, herdado do catolicismo e influenciado pelo espiritismo, gerou a crença no fatalismo reencarnacionista. Essa idéia emperra a vida, o progresso e a criatividade.

Há pessoas de mentalidade próspera e criativa que logo encontram meios para resolver seus problemas; outras, de mentalidade menos próspera, não se conformar em ter que passar por situações difíceis. Na verdade, não há dificuldades e nem vítimas.

A vida seria tremendamente injusta se tivesse nos colocado numa situação sem saída. A natureza é perfeita em tudo e em nós.

Então, não fique preso ao passado, às idéias fatalistas e às crenças que emperram o seu progresso. Respeite a sua individualidade e mantenha a consciência de que o poder foi e é sempre seu."

Em todas as situações, acredite que tudo pode dar certo!

Rowena Arnehoy Seneween ®

3 de janeiro de 2013

A Dança da Vida

"Sinto a alma cheia
Como lua que ilumina
Não só os meus passos
Mas os corpos por inteiro;
Que dançam
A magia da vida
Em compassos lentos
De corpos suados,
Úmidos
Da fonte
De onde
Tudo se origina.
Seria isto a Biodança?"

(Lílian Rose Marques da Rocha)


A dança desperta os elementos do corpo e nos leva à meditação dinâmica, facilitando assim, a cura e o equilíbrio interior. Contemporaneamente, existe uma semelhança muito grande entre a visão corpórea do homem e o xamanismo druídico, através dos correspondentes célticos, em relação aos aspectos da metodologia da Biodança, da epistemologia da vivência corporal e da metafísica envolvida no processo de redescoberta do ser.

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Leia também: A linguagem corporal na visão celta

Rowena Arnehoy Seneween ®