29 de janeiro de 2009

Novo Tempo

Vida, tempo, nova vida
Passa o tempo lentamente
Gira o mundo sem pensar
Voltam às bênçãos plenamente

Novo tempo agora é
Equilíbrio perfeito
Entre os sonhos presentes
Revive na esperança o nobre feito

Vida, tempo, nova vida
Revira tudo velozmente
Numa batalha solar
Para tudo modificar finalmente

Mistura o doce ao amargo e o fel
Negra alma delirante,
Fugaz e inebriante
Seja breve neste instante

E volte à luz consciente
Que tudo sempre gira novamente!

Rowena Arnehoy Seneween ®

Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Que assim seja!

6 comentários:

  1. Olá!!! Rowena,
    Te encontrei por acaso. Adorei seu blogger, por isso te linkei. Linda a poesia.

    Quando tiver um tempinho, me visita, comente.

    Beijinhos,
    Karina.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ana!

    Seja bem-vinda! Obrigada pelo carinho, vou visitá-la, sim!

    Beijos e bênçãos...

    )O( Rowena

    ResponderExcluir
  3. adorei o poema,até mandei pra minha filha lá em trancoso
    sou sua fã e gosto muito do povo celta...um grande abraço

    ResponderExcluir
  4. Olá, Toninha!

    Fàilte... Mil vezes seja bem-vinda!
    Obrigada pelo carinho! Beijos e muitas bênçãos a você e todos os seus... ;)

    ResponderExcluir
  5. Querida, grata pela visita. Seu cantinho é uma delicia, estarei sempre por perto.
    Um cheiro recheado de dengo.
    V.Cruz

    ResponderExcluir
  6. Val, venha sempre... Beijos!!!

    ResponderExcluir

Fáilte... Bem-vindo(a)!