1 de outubro de 2006

Sombras da Lua

Boca vermelha,
Sedenta de beijos ardentes
Divina centelha

Além da alma sombria,
Tormento vivido
Na loucura dessa noite fria

O branco pálido da morte,
Grita alto pelas sombras da Lua
E rompe no peito mais forte

Pelos séculos perdidos,
A fúria guardada
De momentos revividos.

Rowena Arnehoy Seneween ®



Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Leia mais: Poesias Pagãs

Bênçãos plenas!

2 comentários:

  1. Aurora, creio que se interesse pelo Diário de sangue... os relatos da minha parte obscura...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Aurora,

    Está escrito nas estrelas que o nosso amor é eterno, infinito e imortal...

    Mordidas do teu e só teu,

    ♂ Belatucadrus ♀.

    ResponderExcluir

Fáilte... Bem-vindo(a)!