29 de dezembro de 2008

Um brinde aos Novos Artigos do Templo!

Novos Artigos - Dezembro/2008

Anna Leão, publicou:

- Mudando a Energia

Alessandra De La Vega Miranda ou Audrey, publicou:

- Macha: a Deusa Celta dos Cavalos

O Sol é a manifestação da vida!

Estamos vivenciando o solstício de verão, no Heminafério Sul. Uma momento propício à materialização das nossas esperanças, onde projetos, sonhos e desejos lançados na época do plantio começam a dar seus frutos, conforme o nosso merecimento, tornando-se realidade.

Que assim seja... Bênçãos feéricas a todos!

Rowena Arnehoy Seneween ®

19 de dezembro de 2008

Canção de Amergin

"Eu sou o vento sobre o mar.
Eu sou a onda do oceano
Eu sou o rugido das ondas,
Eu sou o poderoso boi de combate,
Eu sou o falcão no penhasco,
Eu sou a gota de orvalho no raio de Sol,
Eu sou o javali selvagem,
Eu sou o salmão da sabedoria,
Eu sou o lago da planície,
Eu sou a força da palavra,
Eu sou a lança certeira,
Eu sou o fogo que cria o pensamento.
Quem ilumina a pedra da montanha, se não eu?
Quem sabe o lugar no qual o pôr-do-sol se deita?
Quem conhece as idades da lua, se não eu?
Quem mostra o lugar de onde o sol vai descansar?
Quem chama o gado de volta para casa, se não eu?
Quem é o Deus da forma, da batalha e dos ventos?
Quem é que sabe o segredo do dólmen, se não eu?"

Lebor Gabála Érenn (O Livro das Conquistas da Irlanda)



Feliz Solstício de Verão a todos!

Leia mais em: A Canção de Amergin

Rowena Arnehoy Seneween ®

2 de dezembro de 2008

Alessandra De La Vega Miranda

Dezembro é o tempo da esperança e da renovação, além de muitas novidades. Então, é com muita alegria que apresento, Alessandra De La Vega Miranda, nossa nova colunista... Fàilte!

Iniciada como Audrey, em uma tradição familiar, está na Arte desde a infância. Dedica-se aos contos, artigos e ensaios sobre mitos, mitologia, sonhos e o Sagrado Feminino, dentro do foco celtíbero de suas origens ancestrais.

Compartilhará conosco sua trajetória mágica em família!

Leia este mês, seu primeiro artigo, no Templo de Avalon:

Vivenciando o Sagrado nos caminhos da prática solitária

Bênçãos plenas do céu, da terra e do mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

21 de novembro de 2008

Triskilian

Porque a alma e o coração gostam mesmo é de um bom batuque!

Bênçãos plenas do céu, da terra e do mar!
Rowena Arnehoy Seneween ®

20 de novembro de 2008

Brumas do Tempo

Oh, Senhora do tempo e do destino
Por entre os fios dessa teia de prata
Revelai-nos o segredo obscuro e ferino
Mundo sombrio de uma alma perdida,
Que vagueia pelo vale fúnebre da ilusão
Valores invertidos de um momento insano
Sorva a última gota do fútil prazer em vão,
Escorado nas sombras da tua sina.

Oh, Senhora da roda e do fuso de fiar
Trama sagrada de perfeita harmonia
Desate agora os nós deste drama singular
E guie o coração do guerreiro de luz,
Unindo os elos do amor para invocar
Neste círculo etéreo de proteção,
Pelos poderes do céu, da terra e do mar...
O feitiço que foi lançado pelas brumas de Avalon.

Que assim seja!

Rowena Arnehoy Seneween ®

Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Bênçãos plenas do céu, da terra e do mar!

7 de novembro de 2008

Absoluta Beleza


Confira o artigo publicado em Asoluta Beleza, espaço comandado por Ricardo Martins, focalizando sempre o Feminio Essencial e suas múltiplas diversidades, que nos tornam tão iguais. Abençoados sejam!

Rowena Arnehoy Seneween ®

Leia na Edição Temática: A Beleza dos Mitos Celtas

Bênçãos plenas do céu, da terra e do mar!

31 de outubro de 2008

Lá Bealtaine!

Termo conhecido na mitologia irlandesa como: "Entre os dois Fogos de Beltane", as grandes fogueiras marcam também um tempo de purificação e de transição, anunciando a esperança de uma boa colheita. Celebrar é parte da vida de todo ser... Seja como for, felicidades a todos!

Omnia - Tine Bealtaine



Rowena Arnehoy Seneween ®

Saiba mais: Festival de Beltane

11 de outubro de 2008

A Beleza dos Mitos Celtas

As primeiras referências que temos dos povos Celtas encontram-se na literatura grega datada por volta de 500 a.C. Eles habitavam uma vasta área geográfica, que incluía a França, a Espanha e se estendia até o Danúbio superior, na Europa Oriental.

A palavra celta é derivada de “keltoi”, que os antigos gregos usavam para denominar as tribos européias do norte.

O termo céltico é uma descrição cultural e seus laços são definidos principalmente pelo idioma, que se dividiram em dois ramos indo-europeus, conhecidas como: Celta-Q (goidélico), ramo mais antigo, do qual derivam o Gaélico Irlandês, o Gaélico Escocês e a Língua Manx ou Manquês, da Ilha de Man; e o Celta-P (galo-britânico), falado pelos gauleses e habitantes da Bretanha, cujos descendentes modernos são os galeses do País de Gales e os bretões na Bretanha, França.

Os celtas introduziram a metalurgia do ferro na Europa, dando origem à Idade do Ferro, através das culturas de Hallstatt (800-450 a.C.) e La Tène (de 450 a.C. até à conquista romana), por isto eram considerados grandes guerreiros. Apesar de nunca terem construído um império, sua cultura foi preservada e transmitida pela tradição oral através dos mitos e das lendas, principalmente os irlandeses.


Jóias em ferro do período La Tène
Rheinisches Landesmuseum, Trier na Alemanha

Observamos que em todos os mitos é evidente a paixão e a valorização da beleza, seja no preparo do corpo para os combates, passando pelos ornamentos de uma rica joalheria, que tinham por objetivo transmitir poderosos sinais visuais de religiosidade e poder, conservando, até os dias de hoje, uma identidade cultural céltica bem definida.


Torque em ouro do período Hallstatt
Museu de Arqueológia Châtillon-sur-Seine, França

As lendas arturianas de outrora prometem a volta do Rei Arthur e a restauração dos Celtas através do Romantismo e do Medievalismo, retratando o drama humano, os amores trágicos e os símbolos místicos. Os contos do mundo céltico são na maioria, do Ciclo de Ulster, antigo Ulaid, e estão graficamente preservados em vários textos, bem como, no Mabinogion, que é uma coletânea de manuscritos escritos em prosa, no galês medieval, e nos costumes dos primeiros contadores de histórias irlandesas, conhecidos como bardos.

Estas histórias serviam como elemento de educação para os jovens da nobreza céltica, pois seus personagens heróicos forneciam um modelo de comportamento guerreiro, próprio para juventude da época. Contudo, os mitos também forneciam representações lendárias de personagens reais, cujos atos são tão marcantes que foram preservados tanto na poesia bárdica como na memória popular.
Os personagens que mais se destacaram no Ciclo Arturiano são:

- Rei Arthur: o lendário rei da Bretanha que unificou todo o reino. Em torno de seu reinado gira toda a trama do ciclo arturiano.

- Morgana: a meia-irmã de Arthur representa na lenda arturiana, a figura da Deusa Morrighan e a tríplice função, àquela que leva Arthur de volta para Avalon, após o seu último combate.

- Merlin: o grande feiticeiro, inspirado na mitologia galesa durante o Ciclo Arthuriano, que tinha grande habilidade para mudar de forma. Merlin era o senhor da ilusão, da profecia, da adivinhação, das previsões e dos ferreiros.

- Guinevere: a linda esposa do rei Arthur, conhecida, sobretudo, por seu amor a Lancelot, causando a rivalidade entre ele e Arthur.

- Lancelot: o mais famoso cavaleiro do rei Arthur, apaixonado por Guinevere, é pai de Galahad, cavaleiro que encontra o Santo Graal.

- Viviane: a Senhora do Lago em Avalon.

- Uther Pendragon: o pai de Arthur e rei antes dele.

- Igraine: a mãe do rei Arthur e de Morgana.

- Mordred: filho de Arthur e Morgana. Representa as forças das trevas quando duela com o próprio pai.

Toda a beleza dos mitos arthurianos e das lendas celtas se destacam na magia e na renovação de ideais há muito perdidos, mas jamais esquecidos dentro de nós... A Verdade, a Honra, a Justiça, a Lealdade, a Coragem e a Sabedoria, são até hoje princípios que todo o ser humano deve buscar em sua jornada espiritual, para viver num mundo mais pleno e equilibrado.

Bênçãos do céu, da terra e do mar!

Referências bibliográficas:
GUEST, Lady Charlotte - The Mabinogion - Ed. Kinkley, 1887.
BELLINGHAM, David - Introdução à Mitologia Céltica - Ed. Estampa, 1999.

Rowena Arnehoy Seneween ®

Leia também: Os Novos Artigos do Templo

29 de setembro de 2008

Faun - Egil Saga

Faun, grupo alemão de medieval folk, que combina instrumentos antigos com sons eletrônicos para criar uma atmosfera mística e encantadora. Influências do celtic folk, música medieval e árabe.
Egil Saga, é uma saga islandesa baseada na vida de Egill Skallagrímsson, um dos principais heróis da tradição nórdica.

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!
Rowena Arnehoy Seneween ®

20 de setembro de 2008

Feliz Primavera!

Altar da Primavera
A prática de pintar ovos no Equinócio da Primavera, simbolicamente, é um sinônimo de fertilidade, proteção e boa sorte, pois essa é a época de cultivarmos novas sementes, ou seja, novas metas, sonhos e objetivos.

Cozinhe os ovos e pinte-os com símbolos celtas, projetando neles seus sonhos e desejos. Em seguida, coloque-os embaixo de uma árvore ou enterre-os num vaso, dizendo:

"Em nome da Senhora do Renascimento e pelos poderes do Céu, da Terra e do Mar, eu consagro e abençôo esses ovos, com as minhas novas intenções." Que assim seja!

Rowena Arnehoy Seneween ®


10 de setembro de 2008

Energia Lunar

A Lua sempre exerceu uma influência notável em nossas vidas, principalmente nas mulheres, que comungam intimamente com suas variações nos períodos menstruais.

Os antigos sabiam muito bem disso e respeitavam esse poder feminino. As mulheres que tinham seus ciclos regulados com os ciclos lunares eram mais férteis na Lua Cheia e mais sábias na Lua Nova, pois se recolhiam em tendas para conectar-se com o Outro Mundo e fazer previsões para a tribo.

Nos dias atuais a menstruação ainda é vista como um tabu. Muitas mulheres se esquecem de ouvir seu chamado interior... Talvez pelo estress, vergonha ou falta de informação, acabam reprimindo esse dom natural e por conta disso sofram tanto com a tal TPM.

Quando ritualizamos esse processo entramos em contato com antigas forças ancestrais e assim equilibramos o nosso interior. Saber aproveitar essa energia é aprender a trabalhar menos com muito mais.


Podemos dividir os ciclos lunares, basicamente, em duas partes:

1ª- A Lua Crescente é o período que vai da Nova à Cheia, quando a Lua aumenta em luminosidade e expande sua energia.

2ª- A Lua Minguante, período entre a Cheia e a próxima Lua Nova, quando a Lua está decrescendo e recolhendo sua energia.

A fase Crescente é supostamente melhor para as atividades relacionadas a novos projetos, atividade física e todas as questões ligadas ao plano material e a expansão.

A Lua Minguante é melhor para avaliar e completar o trabalho iniciado na primeira metade do ciclo anterior. Também pode ser usado para a criatividade, o planejamento, o repouso, a reflexão, a cura e o banimento de energias desgastadas.

Muitos astrólogos acreditam que os melhores dias para se tomar decisões e programar novos projetos são imediatamente após a Lua Nova, mas não é recomendado o primeiro dia da Lua Nova, em vez disso, espere pelo menos 24 horas. As atividades iniciadas nesta ocasião tendem a persistir por todo o ciclo. Período ideal para enfrentar medos e romper padrões negativos.

A Lua Cheia é espiritualmente poderosa e pode nos trazer uma grande percepção intuitiva da vida, se usada para meditação ou as atividades magísticas, pois ela nos conecta, ainda mais, a plenitude da luz.

Tanto a Lua Cheia quanto a Lua Nova são excelentes para trabalhos místicos de autoconhecimento e de prosperidade. Que assim seja!

Fonte bibliográfica:
CUNNINGHAM, Donna - A lua na sua vida e as influências sobre as mulheres - Ed. Pensamento, 1999.

Rowena Arnehoy Seneween ®

Fonte: Energia Lunar

5 de setembro de 2008

Anna Leão - Colunista do Templo

Setembro é tempo de plantar e semear novas sementes, sendo assim, damos ínicio a um novo ciclo de artigos e parcerias.
Leia a linda poesia de Anna Leão, a mais nova colunista do Templo de Avalon. Abençoada sejas!

Dançando o Fogo!

Queres alcançar um sonho?
Peças ao fogo que ele te leva lá.
Por caminhos espiralados,
Com força, vigor e ardor
Ele te ascende, te expande e te transcende!
Eu danço em volta do fogo
Danço pelo fogo
Flamejo com suas chamas trêmulas e constantes
Para chegar a mim mesma
Para sentir o poder
Para me resgatar inteira,
Nua, crua e verdadeira
Simplesmente para estar em Ti!

Anna Leão. Todos os direitos reservados.

Leia também: Artigos de Anna Leão

21 de agosto de 2008

Afro Celt Sound System

Gostei... Afro Celt é um grupo musical que combina ritmos modernos, como o hip-hop e o techno, com ritmos das culturas celtas e africanas. Letras em gaélico e dialeto africano. É contagiante, confira!

Bênçãos do céu, da terra e do mar!

17 de agosto de 2008

Eclipse lunar

Neste sábado, dia 16/08/08, fomos presenteados com um belo eclipse parcial em plena entrada da lua cheia. Simbolicamente, um eclipse demarca a transição entre o claro e o escuro, a luz e as sombras. Quando um eclipse finaliza seu processo, representa também a entrada de uma nova energia ou uma nova etapa em nossas vidas.

Inicio às 18:10h

Finalizando o processo...

Plenilúnio às 19:45h
Fotos do céu de Itapetininga/SP
Bênçãos plenas a todos!

Rowena Arnehoy Seneween ®


31 de julho de 2008

Oração a Brighid


Abençoada seja, a Senhora do fogo!
Deusa da cura e da sapiência,
Forja ardente que transforma o ferro em aço,
Protegei seus filhos com benevolência.

A semente que irradia a promessa
No ventre sagrado à luz renovada
Esteja entre nós nesta roda solar
Iluminando-nos com sua chama sagrada.

O doce mel que purifica nossa alma
Despertai a alegria do coração,
Com o hidromel, o néctar dos Deuses.
Salve Brighid amada, pela divina inspiração!

Rowena Arnehoy Seneween ®

Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

"Meu fim é o meu começo."

Lá Fhéile Bríde... Awen!

Saiba mais: Festival de Imbolc

10 de julho de 2008

A pessoa errada

Todo mundo sabe o que é o amor - na teoria!

Mas é na prática que podemos entender o que realmente é esse sentimento - que todo mundo deseja e que todo mundo morre de medo!

São as "pessoas erradas" que nos fazem entender a forma certa de amar.

São as "pessoas erradas" que nos sacodem, que nos tiram da frente da mesa de projetos e nos jogam na vida real.

São as "pessoas erradas" que nos ajudam a crescer.

E essas pessoas não são necessariamente "erradas".

Essas pessoas são, na verdade, apenas DIFERENTES do que tínhamos em mente!

Diferentes em sonhos, em experiências, em expectativas, em comportamentos, em ideais.

Mas ainda assim pessoas riquíssimas em alma, repletas de lições...

Nada na vida pode ser PROGRAMADO por nós!

Podemos desenhar, rascunhar e esperar que nossos rascunhos se tornem obras prontas um dia - mas é só. A vida é cheia de surpresas - e todas elas têm o intuito de nos fazer crescer.

Deixemos que as "pessoas erradas" façam parte de nossas vidas, entrando e saindo naturalmente de nossas vidas - ou permanecendo, se assim desejarmos, se assim desejarem.

É bom sentir a diferença entre os mundos, entre os sonhos, entre as expectativas...

E entender que nós não somos, também, necessariamente, as "pessoas certas"!!!

Por Lydia Gomes
Todos os direitos reservados.

Beijos e bênçãos!

6 de julho de 2008

A arte da dança

Dançar é a arte de movimentar o corpo harmoniosamente em uma seqüência ritmada, ou seja, é a forma como o corpo se move segundo uma composição coreográfica, num determinado tempo e espaço, expressando assim, os mais nobres sentimentos contidos em um segmento musical.


A dança quando voltada à terapia, tem o poder de libertar antigas amarras e bloqueios que dificultam a interação do ser humano ao meio em que vive. A Biodança ou a Biodança Elemental (técnica pessoal que desenvolvi durante o tempo que dei aula), por exemplo, são terapias que auxiliam no bem estar, no autoconhecimento e no equilíbrio interno.

As danças sagradas também nos proporcionam um aprendizado maior e mais profundo, possibilitando a nossa conexão com as divindades, através da sua simbologia ancestral e envolvente. Além de nos proporcionar saúde, bem estar físico, mental e espiritual.

Leia mais: Símbolos da Dança

Bênçãos plenas do céu, da terra e do mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

1 de junho de 2008

A estrela mais brilhante!

Nesta época do ano, comemoramos o Festival de Inverno no dia 21 de junho, que em gaélico significa Mean Geimreadh e marca o início das noites frias no hemisfério sul.

Em galês este festival é conhecido como Alban Arthan, a Luz de Arthur ou a Luz do Urso, uma versão poética, que relaciona o Solstício de Inverno às lendas do rei Arthur - Arcturus a estrela mais brilhante do hemisfério norte.

Arcturus significa "O Guardião do Urso", que fica próxima às constelações da Ursa Maior e Menor. O tamanho de Arcturus é aproximadamente 30 vezes maior que o Sol, conhecida antigamente como a "Gigante Vermelha".

Então, vida longa ao rei... Que assim seja!

Rowena Arnehoy Seneween ®

Saiba mais: Solstício de Inverno

24 de maio de 2008

La Tribu de Dana - Manau

Tradução da primeira parte da música 'La Tribu de Dana' do grupo francês Manau (que em gaélico significa, Ilha de Man) e mistura melodias tradicionais celtas com modernas batidas de hip-hop.



"O vento sopra sobre as planícies da Bretanha Armórica,
Lanço um último olhar sobre a minha mulher,
Sobre o meu filho e o meu domínio.
Akim, o filho do ferreiro, acabou de procurar-me.
Druidas decidiram travar o combate no vale.
Lá todos os nossos antepassados, gigantes guerreiros celtas,
Após grandes batalhas, impuseram a raça, é a hora de defender
A nossa terra contra as armas simerianas prestes a cruzar o ferro.
Todo a tribo se reuniu ao redor dos grandes menires,
Para invocar os Deuses e assim nos abençoar.
Após esta oração com os meus irmãos, sem nada a fazer
Zelando por nós, os chefes têm nos tratado a goles de hidromel,
Para nos dar coragem e para que não haja falhas,
Para continuarmos a ser grandes e orgulhosos durante a batalha.
Porque é a primeira vez para mim, que parto em combate
E espero ser digno da Tribo de Dana."

Bênçãos plenas!

Rowena Arnehoy Seneween ®

11 de maio de 2008

Celebrar a Vida

Hoje e sempre
A Lua torna a resplandecer,
No auge desse esplendor.
Irradia máximas do seu poder,
Eterno amor de nossos Deuses.
Abençoados sejam, aqueles que agora
Compartilham esse momento mágico
Onde a Roda gira sem demora.
No ciclo cósmico da Mãe Terra,
A vida que se renova com emoção.
Na batida forte de um tambor,
Que pulsa em cada coração.
Neste belo luar... A vida vou celebrar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Leia também: Celebrações Lunares

Ultrassom do Arthur... ♡
Bênção do Céu, da Terra e do Mar!